Sedex com fogos de artifício explode nos Correios

Um pacote com fogos de artifício que seria enviado via Sedex explodiu no início da noite de ontem dentro de uma agência dos Correios na Avenida Pacaembu, na zona oeste da capital. Ninguém ficou ferido.

Fabiano Nunes, O Estado de S.Paulo

30 de agosto de 2011 | 00h00

O esquadrão de bombas do Grupo de Ações Táticas Especiais (Gate), da Polícia Militar, foi até o local e localizou outro pacote, que não chegou a explodir, com um produto chamado "fumaça ninja", material com potencial explosivo usado em shows. O remetente se apresentou espontaneamente no 23.º DP (Perdizes) ontem à noite.

Segundo o gerente da agência, Germano Santiago, de 45 anos, o acidente aconteceu quando o local já havia sido fechado para atendimento ao público, por volta das 18h10. O pacote explodiu na expedição, onde três funcionários trabalhavam. "Estávamos manuseando os pacotes quando colocamos outras encomendas em cima da caixa. Por causa da pressão, houve a explosão. Uma fumaça tomou conta do local. Ficamos muito assustados", disse o encarregado de expedição Marcondes Ferreira, de 38 anos. Ninguém estava perto do produto quando ele explodiu.

O prédio, em que estavam cerca de 20 funcionários, foi evacuado. Um cão farejador da PM ajudou a localizar o pacote com a "fumaça ninja". Segundo o delegado Giuliano de Migueli, o responsável pelos pacotes comercializa produtos com potencial explosivo, como fogos de artifício, pela internet e ficou assustado com o que aconteceu.

"Vamos apurar para saber se era só um comércio e se ele tinha autorização para fazer esse tipo de venda pela internet. Ele assumiu o risco de ferir pessoas ao enviar o produto pelo correio, o que é ilegal, e pode ser indiciado pelo crime de explosão", afirmou o delegado.

A polícia não quis identificar o responsável pelos pacotes. Ele foi ouvido e liberado ontem à noite. Segundo o delegado, ele achava normal fazer esse tipo de entrega e não previa os danos que tais pacotes poderiam causar.U

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.