Secretários devem definir ação conjunta de agentes e polícia

Investigação de tumulto de anteontem já foi iniciada e as imagens das câmeras de segurança serão utilizadas

Bruno Ribeiro, O Estado de S.Paulo

06 Fevereiro 2014 | 02h01

O secretário de Estado dos Transportes Metropolitanos, Jurandir Fernandes, disse ontem que deve se reunir no começo da semana que vem com seu colega da Segurança Pública, Fernando Grella Vieira, para discutir uma forma de atuação conjunta entre agentes do Metrô e da polícia para incidentes em que um grande número de pessoas esteja provocando tumultos nas estações.

A confusão de anteontem já se transformou em investigação na Polícia Civil. "Estamos repassando as imagens de nossa câmara de segurança para a secretaria (da Segurança)", disse Fernandes. "Não vai haver vandalismo no Metrô. Isso, não permitiremos", completou.

Fernandes, que causou polêmica nas redes sociais ontem ao atribuir a confusão ao comportamento de alguns passageiros - chegou a falar em "ação orquestrada" -, foi mais comedido à tarde, afirmando que se referia apenas ao comportamento de alguns passageiros que estavam na Estação Sé, que danificaram parte do mobiliário da parada. Mas confirmou que a confusão só aconteceu após o problema na porta de um dos trens, que paralisou a circulação das composições e criou um "efeito cascata".

"Não dá para coibir a entrada de pessoas. Olhar para a cara de alguém e falar 'esse aqui é baderneiro, esse não é'. Por isso, precisamos encontrar alguma solução em parceria com a polícia", afirmou. "Já existe uma comissão de segurança, em contato com organismos internacionais, para achar soluções para essa situação", disse.

Frota K. Fernandes também defendeu os trens da chamada frota K - as composições que foram reformadas no ano passado e que são criticadas pelo sindicato dos Metroviários. "O sindicato tem uma fobia patológica dessa frota", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.