Secretários de Kassab defendem pedágio urbano em São Paulo

Eduardo Jorge, da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente, e Marcelo Cardinale Branco, da Secretaria Municipal de Transportes, falaram sobre o tema durante o Seminário Internacional Andar a Pé nas Cidades

Caio do Valle,

21 de setembro de 2012 | 10h50

Texto atualizado às 20h05.

SÃO PAULO - Dois secretários da gestão Gilberto Kassab (PSD) disseram na manhã desta sexta-feira, 21, serem favoráveis à implantação do pedágio urbano. As afirmações foram feitas por Eduardo Jorge, da Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente, e Marcelo Cardinale Branco, da Secretaria Municipal de Transportes, durante o Seminário Internacional Andar a Pé nas Cidades, na Avenida Paulista.

Ambos os dirigentes falaram na abertura do evento, voltado à discussão de medidas para melhorar a mobilidade dos pedestres na cidade. O primeiro a defender o pedágio urbano foi Jorge. "Eu insisto: nessa cesta de ações para melhorar a mobilidade, limpar a cidade, melhorar a saúde das pessoas e salvar vidas, tem uma questão de que as cidades não podem fugir, que é a restrição ao uso abusivo do automóvel e da moto. Não tem saída." Mas Jorge disse que as autoridades, inclusive as do Judiciário e as do Legislativo, "fogem disso como o diabo da cruz". "A medida que hoje está sendo usada com sucesso em outros países é o pedágio urbano. Ele é necessário. Ele vai melhorar imediatamente os congestionamentos."

De acordo com o secretário, o pedágio "vai gerar um fundo adicional que vai ser somado ao orçamento dele para investir mais no metrô e no ônibus e nas calçadas". Jorge disse, no entanto, que o prefeito Kassab é contrário a essa ideia e que a sua opinião "é um ponto de vista pessoal".

Em seguida, Jorge passou a palavra para Cardinale Branco, que acumula a presidência da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), empresa municipal responsável por gerenciar o trânsito na capital. O dirigente afirmou que, assim como Jorge, é "favorável" ao pedágio urbano.

A restrição à circulação de veículos nas áreas mais centrais de São Paulo é um assunto polêmico. Alguns especialistas em mobilidade urbana defendem a implantação da medida imediatamente, argumentando que a saturação viária já atingiu um ponto crítico. Outros, no entanto, entendem que a ação só pode ser tomada após a ampliação do transporte público, em especial o metrô.

Mas a medida, que pode gerar desgaste político, é tratada com muita delicadeza pela Prefeitura, que oficialmente sempre reiterou que não adotará o pedágio urbano. A grande maioria dos candidatos a prefeito também nega que tenha intenção de implantá-lo.

No início da noite, a Prefeitura enviou uma nota em que informa que "respeita as opiniões pessoais" dos dois secretários, mas não cogita mudar a sua posição "firmemente contrária" ao pedágio urbano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.