Sérgio Castro/Estadão
Sérgio Castro/Estadão

Secretário quer limite de 15 mil na Vila Madalena

Alexandre Moraes diz que faltou organização e quer regras rígidas para festa; medidas podem entrar em vigor neste fim de semana

Edgar Maciel e Paula Felix, O Estado de S. Paulo

19 Fevereiro 2015 | 03h00

O carnaval acabou nesta quarta-feira, 18, mas as regras para o próximo ano já estão em discussão. Após problemas de dispersão na Vila Madalena, o secretário estadual da Segurança Pública, Alexandre de Moraes, propõe medidas mais rígidas, como definir um perímetro para a folia, limitar o público e bloquear acesso de veículos. As sugestões serão apresentadas à Prefeitura de São Paulo e, caso acatadas, já poderiam entrar em vigor neste fim de semana, quando blocos ainda vão desfilar. 

Para Moraes, faltou “organização e regulamentação” e a solução é restringir o número de foliões na Vila Madalena em até 15 mil - neste fim de semana, o público seria reduzido consideravelmente, mas sem imposição de um teto. “O modelo desenhado não está correto. Houve um excesso de foliões, o que descontrolou o trabalho por parte da polícia. Precisa de uma regulamentação mais rígida”, afirmou o secretário.

Neste ano, foliões chegaram a entrar em confronto com a Polícia Militar, que teve dificuldades para dispersar a multidão após o horário-limite do carnaval na Vila Madalena. Ainda nesta quinta, o secretário vai entregar a lista com sugestões à Prefeitura, a fim de que seja editada uma regulamentação. “Uma cidade com mais de 10 milhões de habitantes precisa de regras claras. Isso vai evitar bagunça e problemas que aconteceram neste ano”, afirmou Moraes.

A Prefeitura e o governo estadual já estão avaliando as novas regras para os blocos de rua. Mas, para o secretário municipal da Cultura, Nabil Bonduki, as confusões não foram causadas pelos desfiles, que na maioria cumpriram os horários, mas por causa da grande concentração de público.

“A Vila Madalena virou a referência de diversão da cidade. A grande massa que foi para lá não participou dos desfiles, só foi para ocupar as ruas. O problema é que não souberam cumprir os horários”, disse Bonduki. A Prefeitura havia determinado que os blocos deveriam acabar às 22 horas, com dispersão até a meia-noite.

Neste ano, 37 blocos (12%) se concentraram na Vila Madalena. Para 2016, a meta é deslocar os principais grupos, que reúnem mais de 10 mil pessoas, para o Largo da Batata, em Pinheiros, bairro próximo. “Não é uma região residencial e é um local onde podemos prolongar as atrações até as 4 horas, sem prejudicar ninguém”, afirmou Bonduki.

Pós-carnaval. Ao menos seis blocos vão desfilar neste sábado e domingo, na Vila Madalena e também no Largo da Batata. A concentração do bloco Kaya na Gandaia, que toca reggae, será a partir das 14 horas de sábado na Rua Belmiro Braga. O desfile do bloco Bicho Maluco Beleza, com a presença do cantor Alceu Valença, também será no mesmo dia, a partir das 14 horas, na Praça Celso Delmanto. Desfilam ainda a Banda Carnavalesca do Macaco Cansado e o Tijolinho da Vila.

No domingo, será a vez do bloco Vou de Táxi, que toca músicas dos anos 1980 e 1990. Também haverá desfile do Nóis Trupica Mais Não Cai.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo Vila Madalena

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.