Secretário nega ordem de toque de recolher

O secretário de Estado da Segurança Pública, Antonio Ferreira Pinto, negou que o crime organizado tenha mandado comerciantes fecharem as portas, atribuiu o pânico que se espalha na cidade a boatos e colocou a culpa nos meios de comunicação. Para ele, toque de recolher "é coisa de outros Estados". "São pessoas maldosas que difundem esses boatos sem nenhum fundamento e às vezes as pessoas são levadas por esses meios de comunicação exagerando em relação à violência", disse Ferreira Pinto.

O Estado de S.Paulo

31 Outubro 2012 | 02h04

O secretário afirmou que a polícia tem a situação sob controle e, indiretamente, citou a violência no Rio como contraste. "Aqui a polícia entra em qualquer lugar, aqui não precisa ter unidade pacificadora, não tem nada para pacificar em São Paulo", disse.

De acordo com Ferreira Pinto, a onda de mortes que assola a capital tem diversas causas, entre elas disputas entre quadrilhas de traficantes. Um pouco antes, o governador Geraldo Alckmin havia afirmado que a Operação Saturação não tem prazo para sair da Favela de Paraisópolis. "Estamos desde a madrugada de segunda-feira com bons resultados. Já apreendemos drogas e armamento pesado e pessoas foram presas." / A.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.