Márcio Fernandes/Estadão
Márcio Fernandes/Estadão

Secretário manda guinchar carro de deputado estadual estacionado em local irregular

Infração de trânsito foi flagrada pela reportagem do Estado; carro pertencia a Antonio Mentor

Márcio Fernandes, O Estado de S. Paulo

21 Fevereiro 2014 | 01h00

O secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto (PT), mandou guinchar nesta quinta-feira, 20, o carro do deputado estadual Antonio Mentor (PT), estacionado em local proibido, ao lado da sede da Prefeitura de São Paulo, no centro da cidade. A infração de trânsito foi flagrada pela reportagem do Estado por volta das 17h30. Mentor participava de uma audiência no prédio e Tatto, de uma reunião pública, marcada pelo Movimento Passe Livre (MPL), na entrada do Edifício Martinelli.

Veículo oficial da Assembleia Legislativa, o Vectra do deputado tinha placa preta e foi estacionado bem embaixo da sinalização de trânsito que indicava a irregularidade. Uma agente da Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) já havia autuado o carro quando Tatto chegou ao local. Mas, em função da placa preta, não se sabe se a multa será entregue no gabinete do deputado. Isso porque os dados verdadeiros do veículo não puderam ser identificados pela fiscal. À reportagem, ela disse que teria de preencher um relatório a respeito, mas que dificilmente o responsável ficaria com o prejuízo.

Ao ver o flagra, Tatto imediatamente pegou o celular e deu a ordem para guinchar o carro. A suspeita era de que o Vectra fosse do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Samuel Moreira (PSDB), uma vez que a placa tinha os números 001. Mais tarde, foi confirmado que o carro era utilizado por Mentor.

O motorista do carro acompanhou toda a ação e só resolveu tirar o veículo do local quando ouviu que seria guinchado. Apressado, acabou cometendo a segunda infração: parou na faixa de pedestres enquanto aguardava o sinal abrir. Antes disso, no entanto, conversava calmamente com colegas na frente da Prefeitura.

 

 

Ainda sem saber de quem era o carro, Tatto comentou que a multa seria, sim, paga pelo responsável pelo carro. Mentor não foi localizado.

Caso pontual. A assessoria do deputado informou que o motorista não costuma estacionar o carro em local proibido. Ele teria cometido a infração apenas porque precisava ir "urgentemente ao banheiro". "Foi um caso pontual."

Ao Estado, o motorista, no entanto, confirmou que costuma estacionar no local sempre que precisa deixar o deputado ou outra pessoa na Prefeitura. Ele ainda afirmou que sua intenção era mudar o veículo de lugar assim que surgisse uma vaga do outro lado da rua, onde é possível parar. "No centro é muito difícil achar uma vaga", reclamou, sem revelar seu nome. / COLABORARAM ADRIANA FERRAZ e BRUNO RIBEIRO

Mais conteúdo sobre:
carrodeputado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.