Secretário e família ficam reféns por 3 horas no Alto de Pinheiros

Momento mais tenso ocorreu quando ladrões viram camisetas com inscrições da polícia na casa de Saulo de Castro

Marcelo Godoy, O Estado de S.Paulo

09 Fevereiro 2011 | 00h00

O secretário estadual dos Transportes e Logística, Saulo de Castro Abreu Filho, ficou três horas sob a ameaça de ladrões armados que invadiram sua casa, dominaram sua família e levaram joias, R$ 4,5 mil em dinheiro, aparelhos eletrônicos, duas armas e seu carro, um Hyundai Vera Cruz. O roubo começou anteontem, às 20h30, quando a mulher de Saulo, a filha e uma amiga saíam da casa, no Alto de Pinheiros, na zona oeste.

Quatro dos cinco homens do bando, que estava em um carro preto, desceram do veículo e, com revólveres e pistolas, dominaram as três mulheres. Mandaram que elas voltassem com o carro para a garagem. Em seguida, elas tiveram de descer e deitar no chão. Os ladrões entraram na casa e dominaram Saulo.

O secretário também foi obrigado a deitar. Os criminosos queriam saber onde estava o cofre e reviraram toda a casa. O momento mais tenso foi quando os bandidos descobriram camisetas da polícia na casa - Saulo foi secretário de Segurança de 2002 a 2006. Os ladrões queriam saber por que ele tinha as camisas e Saulo disse que havia trabalhado no governo - os bandidos não sabiam quem estavam assaltando.

Às 23h30, o bando deixou a casa. Colocaram tudo no Vera Cruz do secretário, com o qual arrombaram o portão da casa. Hora depois, o carro foi achado por policiais, no Butantã, na zona oeste. A polícia colheu impressões digitais e busca imagens de câmeras de vídeo da região para identificar os ladrões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.