Jair Bertolucci/Divulgação/TV Cultura
Jair Bertolucci/Divulgação/TV Cultura

Secretário de Transportes diz que trânsito de SP não é caótico

'Se tivesse metrô e linhas rápidas, deixaria o carro em casa', diz Alexandre de Moraes no programa Roda Viva

Mônica Aquino, do estadao.com.br,

03 de agosto de 2009 | 22h42

O trânsito de São Paulo não é caótico, mas difícil. É o que acha o secretário de Transportes de São Paulo, Alexandre de Moraes. Ele admite que deixaria o carro em casa se "tivesse metrô e linhas rápidas" na cidade. Mas admite que hoje em dia só anda de carro, o oficial, por questões administrativas. Em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, nesta segunda-feira, 3, o secretário afirmou que as medidas de restrição aos fretados não vão cair. Nesta segunda, faz uma semana que as novas regras entraram em vigor. Apesar da liberação dos fretados na Berrini, Alexandre de Moraes negou que os ônibus vão ser liberados na Avenida Paulista. "Não vamos voltar atrás porque é uma medida boa para a cidade", disse o secretário.

 

Veja também:

link'Não vamos voltar atrás', diz Moraes sobre restrição a fretados

linkSindicato entra com outro recurso contra restrições a fretados

linkClassificação de vans como fretado gera protestos em SP

especialDiagnóstico do trânsito de São Paulo

 

"Não temos vergonha de mudar, de melhorar", afirmou quando questionado sobre as mudanças nas regras e se a restrição aos fretados não havia sido feita sem um estudo prévio da Prefeitura. No entanto, ele reconheceu que ainda é cedo para analisar as melhorias no trânsito de São Paulo, principalmente porque as férias escolares ainda não acabaram. Sobre o tema, o secretário fez duras críticas ao setor de fretados, disse que muitos usuários o usavam como um "táxi grande" e falou que era preciso acabar com o "pinga-pinga" do embarque e desembarque deste tipo de transporte.

 

Além de secretário dos transportes, Alexandre de Moraes também acumula as funções de presidente da SPTrans e diretor da CET, órgãos do trânsito que respondem diretamente à secretaria. Assim como a Prefeitura, o secretário se posiciona contra os mototáxi na cidade. Uma das alternativas para regularizar o setor seria instalar chips nas motos, que seriam alvo de blitze. A lei que regulamenta esse tipo de transporte foi sancionada na última semana pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. De acordo com a prefeitura, esse tipo de transporte coloca a vida dos cidadãos em risco e por isso, desaconselha "seu uso em uma cidade com as características das de São Paulo".

 

O Plano Diretor da cidade prevê a construção de 8 motofaixas na cidade. Quando perguntado qual é o prazo de construção dessas faixas, Alexandre de Moraes afirmou que a data limite é o "fim da gestão Kassab". Como o projeto consta no Plano Diretor, caso não seja cumprido, a administração pode responder processo por improbidade. O secretário de Transportes é um dos homens de confiança do prefeito Gilberto Kassab (DEM). Ambos são do mesmo partido, mas o secretário nega uma possível candidatura nas eleições de 2010 ou então uma candidatura à Prefeitura em 2012.

 

No ano passado, a Prefeitura de São Paulo colocou em prática as restrições ao caminhões na cidade. Agora, entraram em vigor as novas regras aos fretados. Quando questionado se no próximo ano o rodízio de veículos será ampliado, Alexandre de Moraes disse que será preciso analisar os reflexos do Rodoanel na cidade - já que novos trechos têm previsão de serem entregues até o ano que vem.

 

Durante a entrevista, Alexandre de Moraes também afirmou que a secretaria pretende apresentar um projeto que prevê a construção de 44 km de ciclovias na cidade. Além disso, afirma que as propostas feitas pelo setor de fretados estão sendo analisadas, mas que as regras vieram mesmo para ficar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.