Secretário de Segurança Pública de SP quer mais rigor contra vandalismo

Fernando Grella Vieira se reúne nesta quinta com o ministro da Justiça e irá propor endurecimento de penas contra quem promove a violência em protestos

Bruno Paes Manso, O Estado de S. Paulo

30 de outubro de 2013 | 07h48

Um dia após os atos de vandalismo na Fernão Dias, na zona norte de São Paulo, na segunda-feira, 29, o Ministério da Justiça, José Eduardo Cardozo, propôs uma frente de contenção conjunta da violência e discutirá com autoridades de segurança de São Paulo e Rio procedimentos para investigar protestos, podendo até federalizar parte das ações.

Cardozo fará nesta quinta-feira, 31, uma reunião com os secretários de Segurança de São Paulo, Fernando Grella Vieira, e do Rio, José Mariano Beltrame. Entre as medidas que devem ser apresentadas por Grella, está o endurecimento das punições contra quem promove a violência em manifestações. Leia entrevista abaixo:

O que o senhor pretende falar com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo?

Vamos propor ideias para o debate. Uma das sugestões é a criação de um projeto de lei para endurecer a pena contra crimes de danos contra o patrimônio, atualmente muito leve. O contexto é outro, deve ser considerado. Outra medida, que já falamos faz tempo, é aumentar a pena contra aqueles que agridem policial.

Não foi o primeiro protesto violento na zona norte. Está previsto algum tipo de operação especial para a região?

Estamos acompanhando os acontecimentos e vamos esperar os próximos dias. Caso os problemas continuem, podemos lançar mão de alguma medida para aquele território.

O governo do Estado solicitou ajuda ao governo federal por causa dos protestos?

Não. O que houve foi uma conversa entre as polícias paulistas com a Polícia Rodoviária Federal, responsável pela Rodovia Fernão Dias. A PM deve agir em consonância com os policiais rodoviários. Além dos protestos violentos de segunda-feira, os assaltos na rodovia vinham sendo frequentes. Haverá reforço de policiamento ali.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.