Caio do Valle/Estadão
Caio do Valle/Estadão

Secretário de Haddad não sabe se vai à manifestação do MPL

Convidado pelo movimento para debate público em frente à Prefeitura, Jilmar Tatto só decidirá no dia do evento

Caio do Valle, O Estado de S. Paulo

13 Fevereiro 2014 | 17h38

SÃO PAULO - O secretário municipal dos Transportes, Jilmar Tatto, afirmou que ainda não decidiu se comparecerá ao ato do Movimento Passe Livre (MPL) na próxima quinta-feira, 20, diante da sede de Prefeitura de São Paulo, no centro da capital paulista. No início desta semana, o grupo convidou o dirigente para participar de um debate público a respeito do corte de linhas de ônibus na cidade, executado pela São Paulo Transporte (SPTrans).

"Queremos fazer e estamos nos propondo a fazer um debate sério, profundo, técnico em relação à questão da reorganização das linhas da cidade de São Paulo. Parece-me mais adequado você fazer um debate, uma conversa, ou no Conselho Municipal de Transporte e Trânsito, ou pedir audiência ou mesmo num órgão independente", declarou Tatto nesta quinta-feira, 13.

"Quando você vai em praça pública, não é para fazer um debate aprofundado, técnico, e dar explicações. Geralmente, praça pública é para você fazer o discurso, anunciar ou protestar. Não sei se o local é o mais adequado, essa é a dúvida. Vou ter que decidir até o dia 20."

Segundo o MPL, em novembro Tatto disse em entrevista que poderia atender o grupo a qualquer momento para discutir a questão do seccionamento de linhas de ônibus.

Seccionamentos. Os cortes nos itinerários ganharam força em setembro e outubro do ano passado, quando mais de 80 ramais deixaram de existir. A empresa municipal sempre alegou que a "racionalização" da rede é um meio de reduzir a sobreposição de linhas e melhorar o desempenho operacional do sistema. Houve cortes principalmente nas zonas leste e sul da capital paulista.

A convocação do ato, a primeira grande convocação do MPL em 2014, está sendo feita por meio da página do movimento no Facebook. Em um texto publicado na rede social, o MPL diz que "em toda a cidade, a SPTrans vem efetuando uma série de cortes de linhas de ônibus", que, "longe de serem casos isolados, os cortes fazem parte de uma política de 'racionalização' do sistema que só serve para encher o bolso dos empresários, às custas do sofrimento da população com ônibus mais lotados e maior tempo de viagem".

O debate do MPL está marcado para as 18h de quinta-feira, 20. Até a tarde desta quinta-feira, 13, mais de 600 pessoas já haviam confirmado presença na página do evento no Facebook.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.