Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Secretário de Doria não descarta manter ações do De Braços Abertos

Wilson Pollara disse que deve discutir as situações caso a caso

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S.Paulo

13 Dezembro 2016 | 03h00

O futuro secretário de Saúde, Wilson Pollara, afirmou nesta segunda-feira, 12, que não descarta manter as ações do programa De Braços Abertos, da gestão Fernando Haddad (PT). Ele disse que deve discutir as situações caso a caso.

“A questão do dependente químico é uma questão multifatorial. Não existe um dependente químico, existe o indivíduo que tem família, o que não tem família, jovem, adolescente, idoso, mulher, indivíduo de São Paulo, do Nordeste que veio para cá em busca de emprego. Existe uma gama de pessoas diferentes e você não pode usar um tratamento único ou uma única decisão.”

Anteriormente, a gestão João Doria havia informado que pretendia focar ações na parte médica, a exemplo do que é feito na área pela gestão Geraldo Alckmin (PSDB).

“O programa De Braços Abertos se baseia em uma escola de psiquiatria que diz que a droga tem de aos poucos ir diminuindo. O Recomeço se baseia em outra escola, que diz que você tem de interromper imediatamente a droga, põe no leito e dá outro tipo de sedação. Agora eu acho que existem casos para um e casos para o outro. Vamos ter de adequar a decisão a cada uma das subpopulações”, diz Pollara. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.