Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Secretário da Segurança é criticado por ligar estupro e crise

Mágino disse em entrevista que uma das causas dessa violência seria o desemprego; especialistas apontam 'desinformação'

Juliana Diógenes, O Estado de S.Paulo

03 Junho 2016 | 22h13

SÃO PAULO - A declaração do recém-empossado secretário da Segurança Pública de São Paulo, Mágino Alves, relacionando a crise econômica com o estupro, foi criticada por defensoras dos direitos da mulher. Em entrevista à coluna Direto da Fonte, publicada ontem, Alves disse que uma das “causas” do estupro é o desemprego.

Para Heloísa Buarque de Almeida, professora de Antropologia da Universidade de São Paulo (USP) e estudiosa de gênero, o secretário revelou “desinformação” e “despreparo” para assuntos como violência contra a mulher. Segundo ela, vários estudos comprovam que esse tipo de violência “sempre aconteceu, independentemente de crise”. “Em 2015 (ano crítico da crise econômica), por exemplo, foram feitas menos denúncias de violência sexual do que em 2014. E, se fosse culpa da crise, países desenvolvidos não teriam estupro”, destacou. 

Luíse Bello, publicitária e gerente de conteúdo e comunidade do Think Olga, grupo feminista, reforçou que a declaração foi “absolutamente irresponsável”. “É muito preocupante que uma pessoa que tenha capacidade de falar isso esteja no comando das polícias de São Paulo.”

Para Luíse, a explicação do secretário revelou ainda a “ignorância” de autoridades no assunto. “Estupro é um crime que é feito, na maioria das vezes, por pessoas que fazem parte do círculo da família, dos amigos, dos pais. Há certa ignorância sobre esses dados, mas o Brasil tem estudos sobre o assunto.”

Mais conteúdo sobre:
SÃO PAULO Fonte USP Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.