Secretaria vai reavaliar dispensa de vigias no período diurno

O secretário municipal da Saúde, Januário Montone, informou ontem à noite que vai reavaliar a suspensão da vigilância presencial durante o período diurno, das 7h às 19h. Segundo o secretário, se for constatada real necessidade, os agentes poderão voltar ao trabalho.

O Estado de S.Paulo

28 Abril 2012 | 03h07

Até lá, em caso de emergência, as unidades devem acionar a Guarda Civil Metropolitana ou a Polícia Militar. A secretaria, porém, afirma que a mudança de contrato foi feita de forma planejada e de acordo com a legislação. "Além de modernizar o sistema, a escolha vem permitindo um modelo de vigilância bastante efetivo", diz, em nota.

O Município ressalta que o modelo atual é mais econômico - custa R$ 629.998,48 por mês, ante os R$ 806.848,22 pagos anteriormente. E garante a reposição dos bens patrimoniais.

Satisfação. Integrante da Comissão de Saúde da Câmara Municipal, a vereadora Juliana Cardoso (PT) aprovou anteontem um requerimento que exige explicações da Prefeitura. O grupo quer saber o que justifica a contratação de serviço de vigilância a distância, já que a presença física de um agente inibe eventuais problemas, desde conflitos entre pacientes até danos ao patrimônio público./A.F. e D.Z.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.