Marco Antônio Carvalho/Estadão
Marco Antônio Carvalho/Estadão

Secretaria oferece R$ 50 mil por pistas que desvendem mortes de crianças

Duas meninas de 3 anos foram encontradas mortas na zona leste nesta quinta. Informações podem ser repassadas anonimamente para os investigadores

Bruno Ribeiro e Marco Antônio Carvalho, O Estado de S.Paulo

13 Outubro 2017 | 21h07

SÃO PAULO - A Secretaria da Segurança Pública de São Paulo está oferecendo R$ 50 mil para informações que levem à identificação de suspeitos envolvidos na morte de duas meninas de 3 anos, cujos corpos foram encontrados na tarde desta quinta-feira, 12, na zona leste da capital. As informações podem ser fornecidas em sigilo à polícia pelo site webdenuncia.org.br

O caso está sob investigação pelo Departamento de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), da Polícia Civil, que solicitou exames de DNA para confirmar a identidade das duas crianças. Adrielly Mel Severo Porto e Beatriz Moreira dos Santos brincavam em uma rua do Jardim Lapena, na zona leste, quando desapareceram no dia 24 de setembro. Seus corpos foram encontrados dentro de um carro em um terreno baldio na comunidade.

O veículo foi apreendido e encaminhado à perícia do Instituto de Criminalística (IC), que também esteve no local do crime. A polícia busca agora mais informações sobre o carro em que as meninas foram achadas, um Fiat Fiorino de cor branca e placas FIP 2230 com queixa de roubo do primeiro semestre do ano. A resolução determinando o pagamento da recompensa será publicada no Diário Oficial.

Os pais de Adrielly e a mãe de Beatriz estiveram na manhã desta sexta-feira, 13, no Instituto Médico-Legal (IML), no centro, para fazer a coleta do material genérico. Entretanto, as roupas que vestiam os corpos são "bastante similares" àquelas que as duas garotinhas vestiam quando elas desapareceram, uma tarde de domingo. 

Procurando destacar que ainda não há convicções sobre o caso, a delegada Ana Lúcia Lopes Miranda, da Delegacia de Pessoas Desaparecidas, que já vinha acompanhando o caso desde o desaparecimento das jovens, afirmou que o caso deverá ser, agora, tratado como homicídio e ser transferido para a Divisão de Homicídios. 

Entretanto, afirmou que ainda não é possível garantir que foi um assassinato. "Essa é uma possibilidade, mas também há outras que precisamos eliminar. Inclusive se o caso não é um acidente, se as meninas não se prenderam sozinhas no carro", exemplifica. 

Como denunciar. O interessado em denunciar precisa acessar o WebDenúncia e seguir as instruções. Não há a necessidade de realizar cadastro ou identificação pessoal. Esse procedimento foi elaborado para proteger o anonimato do denunciante,destaca a Secretaria da Segurança Pública. Ao final do processo, a pessoa recebe um número de protocolo e uma senha para acompanhar anonimamente o andamento da denúncia.

A pasta informou que o WebDenúncia conta com dupla criptografia de dados para a proteção do sistema. Os recursos para o Programa de Recompensa são do Fundo de Incentivo à Segurança Pública (Fisp), que é administrado pela Secretaria da Segurança. As informações do denunciante são repassadas aos policiais civis e militares que atuam no WebDenúncia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.