Newton Santos/Prefeitura SP/Divulgação
Newton Santos/Prefeitura SP/Divulgação

Secretária nega fraude no Minha Casa Minha Vida

Elisabete França diz que o fato de a Prefeitura não ter encontrado os documentos dessas famílias não quer dizer que eles não existam

BRUNO RIBEIRO E ANA FERNANDES , O Estado de S. Paulo

03 Fevereiro 2015 | 03h00

A secretária adjunta de Habitação da gestão Gilberto Kassab (PSD), Elisabete França, negou nesta segunda-feira, 2, em nota, ter cometido qualquer irregularidade na indicação de beneficiários para unidades habitacionais do Minha Casa Minha Vida gerenciado pela Prefeitura de São Paulo. 

Conforme o Estado publicou nesta segunda, um relatório da auditoria interna da Controladoria-Geral do Município apontou que ao menos 49 unidades que deveriam ter sido entregues a moradores vindos de áreas de risco foram indicadas a pessoas que não estavam nos cadastros da Secretaria de Habitação (Sehab). As indicações irregulares partiram do gabinete de Elisabete, segundo o relatório.

“Todas as indicações foram devidamente documentadas e todos os procedimentos seguiram estritamente as normas vigentes à época”, diz Elisabete, em nota. “Não era possível encaminhar lista de demanda de famílias para empreendimentos do Minha Casa Minha Vida sem que as mesmas estivessem cadastradas na Cohab, posto que a partir do cadastro era preparada uma pasta por família contendo todos o documentos”, afirma.

Elisabete diz ainda que o fato de a Prefeitura não ter encontrado os documentos dessas famílias não quer dizer que eles não existam, uma vez que a Prefeitura fez uma série de mudanças internas depois de sua saída. “As demais irregularidades citadas (venda ilegal de imóveis do Programa Minha Casa Minha Vida e pagamento indevido de aluguel social, entre outras) são de responsabilidade da atual gestão, conforme o relatório”, continua Elisabete, que fez críticas à Prefeitura por ter divulgado nota sem citar as irregularidades cometidas depois de sua saída.

Haddad. Ao ser questionado ontem sobre o caso, o prefeito Fernando Haddad (PT) fez questão de ressatar que a investigação partiu de um órgão da Prefeitura criado em sua gestão. “A controladoria é o órgão que eu criei, para fazer isso, para passar em revista e verificar se tem vulnerabilidade.” 

Ele citou ainda que a auditoria foi feita a pedido do secretário municipal de Habitação, José Floriano de Azevedo Marques Neto. E afirmou que sua gestão vai lançar em breve uma “ferramenta de transparência absoluta no campo da moradia”. E não deu detalhes.

Mais conteúdo sobre:
São Paulo Minha Casa Minha Vida

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.