Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Secretaria de Transportes revoga demissão de funcionários e greve da CPTM é encerrada

Trens das linhas 11-Coral, 12-Safira e 13-Jade voltam a operar normalmente ainda na noite desta terça-feira, 24

João Ker, O Estado de S.Paulo

24 de agosto de 2021 | 17h57
Atualizado 25 de agosto de 2021 | 15h22

O secretário estadual dos Transportes Metropolitanos, Alexandre Baldy, revogou na noite desta terça-feira, 24, a demissão de dez funcionários da CPTM, anunciada por ele no início da tarde, e com isso a categoria suspendeu a greve iniciada à meia-noite. A negociação foi feita com o líder sindical Alexandre Múcio, ao vivo no Brasil Urgente, e os trens das linhas 11-Coral, 12-Safira e 13-Jade devem voltar a operar normalmente nas próximas horas.  

Segundo Baldy, os trabalhadores demitidos teriam sido selecionados "para dar exemplo" e "de acordo com as equipes de operação", por terem "incitado" a paralisação ou "prejudicado aqueles que desejassem ir trabalhar". Nas redes sociais, o secretário publicou ainda que "a greve é um direito", mas que não poderia haver "descumprimento de determinação quando uma equipe se ausenta 100% ou quando trabalhadores são impedidos de fazerem seu trabalho pelos colegas". 

Baldy afirmou que nenhum dos 120 operadores da CPTM das linhas 11-Coral, 12-Safira e 13-Jade compareceram ao trabalho nesta terça-feira. Segundo determinação da Justiça do Trabalho, a greve da categoria deveria manter 70% dos profissionais durante os horários de pico e 50% nas demais horas, sob pena de multa de R$ 100 mil por dia. A medida, entretanto, não previa a demissão dos funcionários, caso fosse descumprida.

A greve foi convocada pelo Sindicato dos Ferroviários da Central do Brasil. Em nota de repúdio conjunta após a declaração de Baldy, outros sindicatos ferroviários, que não aderiram à paralisação desta terça, classificaram como "perseguição" a atitude do secretário que, segundo eles, teria o "claro efeito de ameaçar a categoria e impedir que os ferroviários exerçam seu direito". 

O boletim foi assinado pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias de São Paulo, pelo Sindicato dos Trabalhadores em Empresas Ferroviárias da Zona Sorocabana e pelo Sindicato dos Engenheiros do Estado de São Paulo. As entidades também afirmam que estão à disposição "para as medidas cabíveis".

Reivindicação salarial

Segundo Alexandre Múcio, diretor-geral do Sindicato dos Ferroviários da Central do Brasil, a categoria pleiteava os reajustes salariais referentes aos dois últimos anos, de 2019 para 2020 e do ano passado para este ano. Ele afirma que os funcionários não tiveram reposição desde o início da pandemia do novo coronavírus. 

Duas propostas foram feitas para a categoria, ambas negadas em assembleia. Na primeira, o reajuste seria de 5% para o período dos dois anos. Na segunda, apresentada durante reunião nesta terça-feira com o Tribunal Regional do Trabalho, seriam dois reajustes, de 4% e 6%, mas o referentes aos meses corridos só começaria a ser pago a partir de 2022, em dez parcelas.

Com a negociação desta terça, a Secretaria dos Transportes Metropolitanos concordou em diminuir o número de parcelas referentes aos anos anteriores e antecipar o pagamento dos valores retroativos. Foi oferecido um reajuste de 4%, em agosto deste ano, referente a 2020; e de 6%, referente a 2021, a ser pago em janeiro de 2022. 

O governo de São Paulo também se comprometeu a pagar em cinco parcelas (outubro, novembro, dezembro, fevereiro e março) todas as cláusulas econômicas. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.