Prefeitura de São Paulo/Divulgação
Prefeitura de São Paulo/Divulgação

Secretário cai após descoberta de funcionária fantasma

Além do delegado Ítalo Miranda Junior, prefeito decidiu afastar da Segurança Urbana o secretário-adjunto e o chefe de gabinete

Luiz Fernando Toledo, O Estado de S. Paulo

20 de outubro de 2015 | 09h52

SÃO PAULO - Após uma série de desentendimentos com a Prefeitura, o prefeito Fernando Haddad (PT) decidiu exonerar o secretário municipal de Segurança Urbana (SMSU), o delegado Ítalo Miranda Junior. Junto dele, foram afastados o secretário-adjunto, Claudio Schefer Jimenez, e o chefe de gabinete, Fabiano Marques de Paula. As informações foram publicadas no Diário Oficial desta terça-feira, 20.

O Estado publicou na última semana que uma funcionária "fantasma", a jornalista Patrícia Morais, tinha sido nomeada em setembro para o cargo de assessora de imprensa na secretaria e nunca apareceu para trabalhar no local. A funcionária é alvo de ao menos três investigações da Controladoria-Geral do Município (CGM), mas disse que trabalhava à distância com "produção de vídeos sobre segurança". Ela foi exonerada dias após a publicação da reportagem. 

Além disso, o secretário, que foi nomeado para a pasta a pedido do PMDB municipal, já havia colocado como seu chefe de gabinete o administrador de empresas Eduardo Anastasi, que também já havia sido chefe de gabinete do então deputado estadual Coronel Ubiratan (PTB), um dos responsáveis pelo massacre do Carandiru. A nomeação causou irritação a Haddad, que o exonerou 10 dias após ter sido colocado no cargo. 

Outra falha que levou à exoneração de Miranda Junior foi apontada pelo jornal Folha de S.Paulo, que mostrou que a pasta decretou uma série de sigilos relativos à Guarda Civil Metropolitana (GCM), incluindo as imagens das câmeras de monitoramento da cidade e informações da central de atendimento (153). 

A reportagem do Estado não conseguiu contato com Miranda Junior. Em seu lugar,  foi nomeado o sociólogo Benedito Domingos Mariano, que estava como assessor no gabinete da vice-prefeita Nádia Campeão e já foi ouvidor da Polícia no governo estadual. A Prefeitura informou que não vai comentar a decisão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.