Se quer um colégio particular na esquina

Mais uma vez, o distrito de Vila Mariana ocupa o topo do ranking. Até o sindicato de ensino tem sede por lá

Edison Veiga, O Estado de S.Paulo

25 Janeiro 2011 | 00h00

Nenhuma região de São Paulo tem tantas instituições de ensino particulares como a Vila Mariana - são 95, entre colégios e faculdades. "Acabei organizando toda a minha vida em função do bairro", comenta o professor de Educação Física Edgard Morelli, que atualmente leciona em três colégios, mas já deu aulas também em outros, sempre na mesma região.

"É bom porque uni o útil ao agradável. Adoro a vida na Vila Mariana e tenho meus amigos sempre próximos. Para mim, o lado bom de um bairro é justamente as amizades que ele proporciona."

Não à toa até o Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de São Paulo (Sieeesp) fica no distrito - mais especificamente na Vila Clementino. "Sem dúvida que a proximidade com as escolas pesou para que nossa sede ficasse nesse endereço", diz o vice-presidente, José Augusto de Mattos Lourenço, que mora em Pirituba.

A abundância de colégios reflete-se no dia a dia do bairro. Basta o ano letivo começar - em geral no início de fevereiro - para o trânsito se tornar mais caótico nos horários de entrada e saída dos alunos.

"É bom morar perto da escola dos filhos. Facilita muito a organização da rotina", afirma a empresária Maria Cecília Dias, que mudou para o bairro há 9 anos, justamente quando sua filha mais velha, Beatriz, entrou em idade escolar. Agora a tarefa diária de levar e buscar os filhos - ela tem dois - é dividida entre os vizinhos. "A gente se organiza. Cada semana é a vez de um levar e buscar. Assim contribuímos para um trânsito melhor, somos ecologicamente corretos e ainda reforçamos os laços de amizade."

A praticidade não fica só do lado dos pais. Professores também amam o bairro. Principalmente se juntam o papel de professor ao papel de pai. "É claro que matriculei meus filhos em colégios da região", conta Morelli. "E a vantagem de organizar a vida no bairro não se resume às escolas: a Vila Mariana tem bons hospitais, ótimos supermercados, toda uma estrutura bacana."

Análise. Para Lourenço, do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino do Estado de São Paulo, a proximidade entre as escolas é um fator que facilita tanto para os profissionais quanto para os clientes - pais e alunos. "Se preciso, os professores conseguem dar aulas em várias escolas, sem perder muito tempo no deslocamento", comenta. "Para os pais, há a possibilidade de pesquisar, com facilidade, metodologias e preços diferentes. E a escola escolhida não ficará longe de casa."

A empresária Maria Cecília concorda. "Quando resolvi mudar minha filha Beatriz de escola, não tive de mudar meus horários, pois o tempo para levá-la e buscá-la se manteve praticamente o mesmo", conta. "E, para ela, nem houve trauma: os amiguinhos continuaram próximos."

Concentração. E como o Sieeesp lida com a informação de que também está no local de maior concentração de escolas particulares?

"Para ser sincero, eu não sabia que era aqui que estava o maior número de escolas particulares de São Paulo", conta o vice-presidente. "Mas não estou surpreso, não. A percepção visual que a gente tem, só de passar pelo bairro, é que realmente tem bastante escola."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.