Se não houver punição, Prefeitura pode se afastar da Liga, diz Kassab

Em coletiva, prefeito diz "esperar do fundo do coração" que nenhum diretor de escola tenha envolvimento com a confusão na apuração

22 de fevereiro de 2012 | 13h46

Se a Liga Independente das Escolas de Samba não punir escolas possivelmente envolvidas na confusão de ontem, “a Prefeitura não terá nenhum problema em se afastar” da entidade afirmou o prefeito paulistano Gilberto Kassab.

Em entrevista coletiva hoje pela manhã, Kassab disse “esperar do fundo do coração” que diretores das escolas de samba não tenham nenhum envolvimento com os tumultos que terminaram com cinco presos, carros alegóricos incendiados, parte da Marginal do Tietê interditada e outros atos de vandalismo. A confusão começou em uma área que só entravam pessoas credenciadas.

A segurança, para Kassab, é o ponto mais falho do contrato entre a Liga e a SPTuris, autarquia da Prefeitura, que rege a organização do carnaval paulistano. Segundo o prefeito, o documento será revisto nesse ponto.

“Seria imperdoável” se não houvesse alteração, disse Kassab, pois para organizar a folia “existem recursos públicos” e a “necessidade de se preservar a integridade das pessoas”.

Apesar de insatisfeito em relação à segurança do carnaval, o prefeito elogiou “o comportamento solidário e respeitoso” que a Liga sempre teve e continua tendo com o contrato com a Prefeitura.

Mais conteúdo sobre:
Carnaval 2012

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.