''Se me deixar só no centro, fico perdido''

Dom Salvador, pianista e compositor paulista que vive em NY

Ana Bizzotto, O Estado de S.Paulo

04 de julho de 2010 | 00h00

Conhecido como um dos precursores do samba-jazz, o pianista e compositor paulista Dom Salvador, de 71 anos, vive nos Estados Unidos desde 1973. Músico do River Café, em Nova York, ele se apresentou na terça-feira no Sala do Professor Buchanan"s.

Nascido em Rio Claro, iniciou a carreira em São Paulo, aos 14 anos. Uma vez por ano, quando vem à metrópole, passa grande parte do tempo com familiares, mas guarda boas lembranças da noite paulistana e se surpreende com o crescimento da cidade.

Infraestrutura. Quando foi morar nos EUA, São Paulo ainda não tinha metrô. "Há uma infinidade de prédios novos, moderníssimos. Se me deixassem sozinho no centro, ficaria perdido."

Noite. O pianista também percebeu um "salto" na vida noturna da cidade. "Na minha época, a noite já era bem movimentada, mas melhorou muito. Há várias casas de jazz e artistas de boa qualidade se apresentando, com casas superlotadas todas as noites."

Sonho. "Gostaria de me apresentar na Sala São Paulo. É uma das acústicas mais sofisticadas do mundo. Ainda não estive lá, mas já vi fotos do interior da sala e alguns amigos que estiveram lá comentaram que é um dos teatros mais sofisticados do mundo."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.