SC tem 1ª morte em onda de atentados

Ataques a ônibus já ocorrem até durante o dia e transporte coletivo foi reduzido; governo catarinense volta a recusar ajuda federal

DANIEL CARDOSO , ESPECIAL PARA O ESTADO , FLORIANÓPOLIS, O Estado de S.Paulo

16 de novembro de 2012 | 02h01

No quarto dia de atentados criminosos em Santa Catarina, houve o primeiro registro de um morto e dois feridos e a intensificação da violência, mesmo de dia. Da noite de quarta-feira até a manhã de ontem, pelo menos 12 atentados foram registrados nas cidades de Florianópolis, Itajaí, Tijucas, Palhoça e Itapema. Já o governo catarinense voltou a dizer que não precisa de ajuda federal.

A onda de violência já impacta a rotina dos catarinenses. Em Florianópolis, mesmo durante o feriado, os usuários do transporte público enfrentaram problemas. Nas primeiras horas da manhã, as empresas de ônibus retiraram os veículos de circulação, causando aglomeração de pessoas nos terminais. A situação só voltou ao normal após uma reunião entre os empresários de transporte, governo estadual, prefeitura de Florianópolis e representantes das polícias.

Na reunião, o poder público voltou a dar garantias de escolta aos veículos, mas afirmou que não pode dar proteção a todos os ônibus. As empresas, então, decidiram reduzir o número de ônibus à disposição dos usuários.

Um dos ataques à luz do dia, que assustou a população, ocorreu por volta das 16h de anteontem em Itapema e envolveu um coletivo. Dois homens tentaram, sem sucesso, atear fogo no ônibus. Na fuga, foram interceptados por uma viatura policial. Houve troca de tiros. Um dos homens foi atingido e morreu por volta das 18h. O comparsa fugiu.

A agressividade dos atentados se intensificou. Na madrugada, ocorreu o primeiro registro de feridos. O cobrador e o motorista de um ônibus, em Palhoça, tiveram dificuldade em fugir do veículo, atacado por criminosos, e tiveram as roupas totalmente chamuscadas.

Sob controle. Apesar da escalada de violência, o governador Raimundo Colombo declarou ontem que "a situação está sob controle". E manteve a opinião de que não é possível confirmar a existência da facção criminosa Primeiro Grupo da Catarinense (PGC). Colombo afirma que a hipótese de os atentados serem ordenados de dentro dos presídios é apenas uma das linhas de investigação.

Além disso, o governador continua dispensando ajuda federal. "Nesta hora temos de somar todas as forças, não dá para fazer uma análise política. Estou em contato com o Ministério da Justiça, com os órgãos de inteligência federal. Se piorar, se houver recrudescimento, se houver necessidade, vamos buscar apoio", declarou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.