Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Sarney garante apoio do governo à filha em meio à crise

Contorcionismo para evitar ataques a Roseana se explica também pela grande influência do senador

BASTIDORES: Andreza Matais, O Estado de S.Paulo

12 de janeiro de 2014 | 02h02

"O ministro da Justiça não escondeu a boa impressão que lhe causou o desempenho da polícia maranhense na reação às ações criminosas", informou o jornal da família Sarney. "Essas medidas são similares às encaminhadas nos casos de SP, RJ, SC, AL, PR, por exemplo", disse a presidente Dilma Rousseff, no Twitter, generalizando a crise na segurança pública enfrentada pelo governo Roseana Sarney (PMDB-MA) com saldo de 62 mortos em um ano nos presídios do Estado, ataques violentos orquestrados por bandidos nas ruas e degolações.

Na semana em que um vídeo mostrou presos degolados, o PT dedicou-se a chamar o governador Eduardo Campos (PE), do adversário PSB, de "playboy mimado", ignorando por completo a crise no governo que ajudou a eleger e do qual faz parte (o partido indicou o vice-governador).

O contorcionismo para evitar ataques a Roseana (Sarney) não se explica apenas pelo ano eleitoral. A grande influência do senador José Sarney (PMDB-AP) no PMDB, maior partido da coalizão governista, no Judiciário (incluindo as cortes superiores), no Senado e no controle de setores importantes como o de energia, garante ao grupo uma blindagem até agora eficiente. "Melhor sacrificar a reputação internacional do que ter Sarney como inimigo", explica um ex-aliado, numa referência a investigações de organismos internacionais sobre a situação nos presídios do Maranhão.

Primeira mulher a ser eleita governadora no país, Roseana é para o pai (que completa 59 anos em cargos públicos em 2014) a sua continuidade. Mesmo com o governo Roseana desgastado, o PT está sob pressão para ajudá-la novamente na eleição deste ano.

Eleita para seu quarto mandato ao governo, em 2010, Roseana fez uma profecia na posse. "No meu governo, a população vai poder dormir de portas e janelas abertas"; "O Maranhão vai passar a ser, com certeza, um dos Estados mais seguros do Brasil". Uma versão desmentida pelos fatos, mas que ainda ecoa entre os aliados do clã Sarney em Brasília.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.