Sapucaí vai fechar para reforma de ampliação

Sambódromo ganhará novo bloco com 17,8 mil novos lugares até o ano que vem; inaugurada em 1888, antiga fábrica da Brahma será demolida

Felipe Werneck, O Estado de S.Paulo

08 Março 2011 | 00h00

O sambódromo do Rio vai fechar para reforma após este carnaval. O objetivo é aumentar a capacidade dos atuais 60 mil para 77.800 lugares e adaptar o local para abrigar provas da Olimpíada de 2016. Para isso, o centenário prédio da fábrica da Brahma, que fica atrás dos camarotes do Setor 2, será demolido, assim como outras cinco casas no entorno.

A fábrica foi inaugurada em 1888 e, quando o sambódromo foi construído, em 1984, acabou ficando muito próxima da estrutura. Agora, será erguido ali um bloco com três módulos de arquibancadas, camarotes, frisas e área para jurados. A expansão só se tornou possível com a aprovação de leis que mudaram as regras urbanísticas da área. O Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac), responsável pelo tombamento do sambódromo, aprovou o projeto.

Estimada em R$ 30 milhões, a ampliação será paga pela Ambev e deve estar concluída até o carnaval de 2012. Em troca, a empresa ganhou o direito de construir um prédio de até 80 metros em parte do terreno. Assim como o sambódromo, o empreendimento foi projetado pelo arquiteto Oscar Niemeyer.

Reações. Para a historiadora Cristina Meneguello, professora da Unicamp e uma das fundadoras do Comitê Brasileiro de Preservação do Patrimônio Industrial, a demolição da fábrica é "lamentável". "Os órgãos públicos ainda não reconhecem no Brasil a importância do patrimônio industrial." A historiadora defendeu que a fábrica fosse integrada ao novo projeto arquitetônico.

Já para o presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil no Rio, Sérgio Magalhães, a demolição é um desdobramento da construção do sambódromo, quando a fábrica ainda estava ativa - ela operou até 1998. "A relação era conflituosa." Em sua opinião, com as obras o conjunto ficará mais harmônico.

Em vídeo gravado para a prefeitura, Niemeyer diz que o projeto "foi aperfeiçoado". "Na solução atual, ganhamos espaço. Está mais simétrica", disse. Segundo a administração, a reforma "retoma o traçado original" e prepara o local para os Jogos Olímpicos - o sambódromo vai abrigar provas de tiro com arco e a largada da maratona.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.