São Sebastião terá que tirar placas que proíbem filas na balsa

Há quinze dias, Prefeitura decidiu proibir as filas nas avenidas próximas à balsa para evitar trânsito no centro

Simone Menocchi, de O Estado de S. Paulo,

21 de dezembro de 2007 | 13h30

Um dia antes do feriado de Natal, quando cerca de 17.500 veículos devem passar pela travessia de balsa entre São Sebastião e Ilhabela, no litoral norte paulista, a Justiça determinou que a Prefeitura de São Sebastião retire as placas que proíbem as filas nas ruas próximas ao embarque da balsa. Há quinze dias a Prefeitura decidiu proibir as filas nas avenidas próximas à balsa para garantir o fluxo de carros na região central do município. A medida foi tomada logo que a prefeitura de Ilhabela decidiu restringir, a partir de março de 2008, o número de veículos na ilha.  Na tarde de quinta-feira, 20, o juiz Guilherme Kirschner, de São Sebastião, concedeu liminar à ação civil pública movida pela OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), obrigando a Prefeitura a retirar, imediatamente, todas as placas de sinalização que proíbem as filas. Ainda segundo a decisão judicial, a administração pública deve organizar o trânsito para a balsa e se não cumprir a determinação pode pagar multa diária de R$100 mil.  Para o presidente da OAB-São Sebastião/Ilhabela, Luiz Tadeu do Prado Filho, "a atitude do prefeito, feita do dia para a noite, proibindo as filas, sem qualquer diálogo, certamente foi feita em retaliação pela lei aprovada em Ilhabela".  O juiz considerou drástica a proibição e afirmou que "as filas da balsa são uma realidade que vem de longa data", mas que "a medida só foi tomada na véspera de fim de ano e Carnaval, época em que há maior movimento de turistas para Ilhabela. Por meio da assessoria de imprensa, a Prefeitura de São Sebastião informou que vai recorrer da decisão judicial.

Tudo o que sabemos sobre:
litoralSão SebastiãoIlhabela

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.