DER/Reprodução
DER/Reprodução

São Sebastião barra 28 turistas com covid; moradores de Ubatuba queimam pneus para impedir veículos

Prefeituras têm feito barreiras sanitárias para limitar acesso a moradores e trabalhadores de serviços essenciais; parte da região metropolitana de São Paulo está em feriadão antecipado

Priscila Mengue e Lucas Melo, especial para o Estadão

27 de março de 2021 | 16h38

Prefeituras do litoral de São Paulo têm realizado  barreiras sanitárias e outras restrições após municípios da Grande São Paulo entrarem em um feriadão antecipado na sexta-feira, 26, que se estende até a Páscoa. Em São Sebastião, 28 turistas foram barrados após testarem positivo para a covid-19. Já Ubatuba teve um dos acessos bloqueados com pneus queimados, em protesto feito por moradores.

No Litoral Norte, São Sebastião teve filas de até 2 horas de espera na entrada da cidade no primeiro dia de barreira sanitária. Pelo tempo de espera, que gerou engarrafamento na rodovia Rio-Santos, a Polícia Rodoviária paulista determinou a interrupção do bloqueio.

Segundo a prefeitura, 1,1 mil testes rápidos do novo coronavírus foram realizados até a interrupção da barreira, no sábado, dos quais 28 tiveram resultado positivo. Os turistas com a doença foram orientados a voltar para casa, procurar atendimento em uma Unidade Básica de Saúde (UBS) e se isolar em domicílio.

O município também instalou barreiras na entrada de praias, das quais parte foi destruída. Imagens de câmeras de vigilância da região irão auxiliar na investigação dos possíveis responsáveis.

Os tapumes têm o objetivo de restringir um único acesso por local, a fim de haver maior controle da circulação de pessoas, autorizadas a utilizar a faixa de areia apenas para a prática de exercícios.

Como outros municípios paulistas, São Sebastião enfrenta escassez de medicamentos do chamado "kit intubação", o que motivou a interrupção da admissão de pacientes na UTI Respiratória local. Os casos que necessitarem desse tipo de tratamento serão cadastrados na fila de espera da Central de Regulação de Ofertas e Serviços de Saúde (CROSS).

Na vizinha Ubatuba, cerca de 250 pessoas utilizaram pneus queimados para bloquear o acesso ao município por volta das 22 horas de sexta. Segundo o Departamento de Estradas e Rodagem (DER), houve interdição total da via por volta das 3h20 da madrugada deste sábado, 27.

Em um dos vídeos do protesto, compartilhado nas redes sociais, um morador diz que "não adianta a gente fechar a cidade, os comerciantes fecharem e os turistas descerem". "Moradores de Ubatuba, podem vir à vontade, mas turista não vai entrar", destaca.

Segundo a Polícia Rodoviária, a ação aconteceu no quilômetro 93 da Rodovia Oswaldo Cruz, próximo ao bairro Marafunda. O ato durou cerca de duas horas. Ninguém foi detido. Apesar da tentativa, os motoristas conseguiram desviar dos pneus queimados e seguir o trajeto. Neste sábado, o município passou a determinar as restrições previstas no Plano São Paulo após ser notificado de uma decisão liminar na Justiça paulista. 

Em Santos, na Baixada, 528 veículos foram abordados na barreira sanitária criada no acesso do município na sexta. Segundo a prefeitura, o objetivo é impedir a entrada de vans, ônibus de turismo, micro-ônibus e carros de passeio com turistas.

Ao menos 15 veículos foram impedidos de ingressar, incluindo um automóvel cujo responsável não soube informar o motivo do deslocamento. Santos está com 92% de ocupação na UTI, média que é de 95% na rede privada.

Também na Baixada Santista, São Vicente abordou 187 veículos em barreira sanitária na sexta, de acordo com a gestão municipal. Os acessos às praias estão bloqueados. A ocupação em UTI é de 90%.

Com 100% de ocupação na UTI, Guarujá também fez barreira sanitária, que começou na quarta-feira, 24, com 241 veículos impedidos de ingressar no município apenas no primeiro dia. Além disso, sete turistas com destino à trilha da Praia Branca tiveram de retornar à cidade de origem.

O acesso está livre exclusivamente para residentes, o que não inclui proprietários de imóveis de veraneio, e pessoas que exercem atividades essenciais no município. Caso o condutor se recuse a retornar ao local de origem, ele pode ter o veículo apreendido. Bertioga também aderiu a bloqueios, por meio de barreiras sanitárias e a instalação de manilhas de concreto e faixas de sinalização, que estão previstos até 4 de abril. 

Em Praia Grande, a barreira sanitária chegou a causar um quilômetro de lentidão na Rodovia Imigrantes neste sábado, segundo a Ecovias. Também está suspensa a emissão de autorização para a entrada de veículos de turismo no município, que está com 100% de ocupação de UTI. Na quarta-feira, 24, um motorista da capital paulista com diagnóstico de covid-19 foi orientado a voltar para casa. 

Em Caraguatatuba, também no Litoral Norte, há barreira sanitária e o acesso às duas pistas da Avenida Dr. Arthur Costa Filho (na orla) está fechado. A colocação de guarda-sóis, cadeiras, mesas, caixas de som e a permanência  na areia estão proibidos, assim como o atendimento presencial nos quiosques e o trabalho de ambulantes nas praias.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.