São Paulo terá plano de emergência hídrica para moradores de rua

Proposta consiste em fornecer grandes lotes de água potável em regiões como Cracolândia e Praça da Sé 

Pedro Venceslau , O Estado de S. Paulo

06 de março de 2015 | 18h25

A Prefeitura de São Paulo vai adotar um plano de contingência para que os moradores de rua da cidade tenham acesso à água potável. A proposta, que surgiu no Comitê de Políticas Públicas da População de Rua, órgão ligado à Prefeitura, consiste em fornecer grandes lotes de água potável em regiões como Cracolândia, Praça da Sé e outras com grande concentração de indigentes. 

Além disso, o plano prevê que a Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) aumente o volume do fornecimento de água de reúso para os abrigos da Prefeitura e deixe de reduzir a pressão nos equipamentos. As Organizações Sociais de Interesse Público contratadas pela Prefeitura para gerir os abrigos terão um orçamento específico para comprar e distribuir água potável.

Os termos do acordo foram discutidos nesta sexta em uma reunião tensa na sede da Defesa Civil da capital. Presente ao encontro, o secretário de Direitos Humanos, Eduardo Suplicy (PT), ouviu relatos dramáticos dos moradores e foi pressionado a tomar atitudes "imediatas" para evitar mortes. 

"Os banheiros da população de rua estão fechados e a água de reúso que deveria ser usada para lavá-los e dar descarga está sendo usada para lavar a rua", disse o padre Júlio Lancelotti, coordenador da Pastoral do Povo de Rua e titular do Comitê de Políticas Públicas para a População de Rua. "Com essa falta de água, conseguir um copo para beber virou quase um sonho. Nos abrigos da Prefeitura têm horário marcado para beber água", relatou o morador de rua Sebastião Nicomedis de Oliveria, de 56 anos. "Juntam 4 pessoas e conseguem comprar uma garrafa de pinga, que custa R$ 1. Mas não conseguem depois comprar uma de água", concluiu .  Assista ao depoimento de Oliveira:

"Iremos realizar os esforços para, em conjunto com a Sabesp, prover a água que falta para população em situação de rua" , afirmou Suplicy. Coordenador geral da Defesa Civil, Milton Roberto Persoli afirmou que ainda não tem como precisar o número de copos de água que será distribuído. "A crise hídrica é uma realidade. Temos que nos adaptar a ela", disse. A Prefeitura pedirá que a Sabesp assuma também a logística da distribuição.    

Tudo o que sabemos sobre:
Crise da águaSão PauloCracolândia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.