Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Carla Carniel/Reuters
Carla Carniel/Reuters

São Paulo tem recorde de mortes por covid-19, com 679 registros nas últimas 24 horas

Com 10.756 pacientes internados em UTI, Estado chega a 90% de ocupação de leitos

Paulo Favero, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2021 | 16h29

O Estado de São Paulo registrou novo recorde nesta terça-feira, 16, com o maior número de mortes pela covid-19 notificadas em 24 horas desde o início da pandemia. No total, foram contabilizados 679 óbitos - são 64.902 em pouco mais de um ano, quando começou a crise sanitária do novo coronavírus. Na tentativa de conter o vírus, a gestão João Doria (PSDB) implementou uma fase emergencial do Plano São Paulo, com mais restrições ao comércio, veto a cultos religiosos e aulas presenciais. Medidas de isolamento social têm sido recomendadas por especialistas e adotadas por governadores e prefeitos em todo o País, embora o presidente Jair Bolsonaro seja forte opositor da estratégia. 

O pico de mortes anterior em São Paulo havia sido registrado na sexta-feira, 12, com 521 mortes. Os dados mostram que a pandemia está atingindo um momento crítico no Estado, que já tem um recorde de 24.992 internados, sendo 10.756 em UTI e 14.236 em enfermaria. Perto do limite, redes de saúde públicas e privadas relatam aumento de infecções entre jovens e também maior tempo de permanência dos pacientes nos hospitais, o que muda a dinâmica de liberação de leitos. 

A taxa de ocupação de leitos de UTI para covid-19 em todo o Estado vem crescendo atingiu 90% - na Grande São Paulo a taxa de ocupação é de 90,6%. Há duas semanas, os índices estavam abaixo de 80%. Nas últimas 24 horas, ainda foram registrados 17.684 novos casos de covid-19 e o Estado chegou a um total de 2.225.926 de infectados.

A fase emergencial em São Paulo começou na segunda-feira, 15, e vai durar pelo menos até 30 de março. O governo não descarta endurecer ainda mais as medidas caso não haja desaceleração dos índices de contágio. Algumas cidades já adotam quarentenas mais rigososas - Ribeirão Preto vai fechar até supermercados (vão funcionar só por delivery) para frear o avanço da doença. A política na cidade vai durar de quarta-feira, 17, até domingo, 21. Araraquara, também no interior paulista, chegou a fechar mercados e adotar toque de recolher durante seis dias em fevereiro para evitar colapso da rede hospitalar local. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.