São Paulo tem o metrô mais lotado do mundo

Metrô de SP transporta 10 milhões de passageiros por km de linha, ante os 8,6 milhões registrados em Moscou

08 de setembro de 2008 | 09h27

O metrô de São Paulo é o mais lotado do mundo, com 2 milhões de pessoas utilizando o meio de transporte por dia. A marca foi alcançada neste ano, conforme dados da CoMET (Comunidade de Metrôs, na sigla em inglês), que reúne as 11 principais redes metroviárias do planeta. Atualmente, a Companhia do Metropolitano de São Paulo transporta 10 milhões de passageiros por km de linha, ante os 8,6 milhões registrados em Moscou, na Rússia. Em terceiro aparece Xangai, na China, com 7 milhões de pessoas para cada km de trilhos. Com a expansão da rede, motivada pelos Jogos Olímpicos deste ano, Hong Kong foi da primeira para a sexta colocação. Nos últimos dois anos, a malha metroviária da cidade mais que duplicou - de 83,7 km para 175 km. Veja também: Veja também:Entre as metrópoles, SP ainda terá a menor rede em 2010 Especial mostra como os paulistanos se locomovem  Já a rápida ascensão de São Paulo pode ser explicada por dois fatores. De um lado, houve acréscimo de 750 mil passageiros por dia, observado pelos técnicos estaduais desde a adesão ao bilhete único, em 2006. Só a Linha 3-Vermelha, a mais movimentada, ganhou, em média, 70 mil novos passageiros por dia. Nos horários de pico, os vagões passaram a receber até 8,6 passageiros por m² - o limite "suportável" é de 6 pessoas por m², segundo padrões internacionais. Por segurança, a companhia reduziu em 10% a velocidade média das composições, elevando em até 4 minutos o tempo de viagem. O outro aspecto que ajuda a entender a superlotação é o tamanho da rede - a menor entre as 11 maiores do mundo. Os 11 milhões de habitantes de São Paulo têm à disposição 61,3 km de linhas. Com 5,5 milhões de moradores, Santiago, no Chile, oferece 83,2 km. Detalhe: os dois sistemas começaram a ser construídos praticamente juntos, na década de 1970. Embora o metrô tenha aumentado em 35% a oferta de lugares na última década, segundo dados da pesquisa Origem-Destino (OD) divulgada sexta-feira, o ritmo de expansão ainda é lento. De 1974, ano em que foi inaugurado, até 2007, o metrô de São Paulo avançou 1,5 km ao ano. Mesmo se os planos da gestão José Serra (PSDB) se concretizarem, a capital deverá ter apenas 80,5 km de linhas até 2010. Nova York, metrópole que possui o mais extenso metrô do mundo, tem 479 km de linhas.  Com a crescente utilização do transporte coletivo na região metropolitana, registrada pela OD, é muito provável que a superlotação continue. "O metrô paulistano foi asfixiado pela demanda", avalia o engenheiro Telmo Giolito Porto, professor do Departamento de Transportes da Escola Politécnica da USP. "Mas acredito que a compra de equipamentos modernos, a expansão da rede e os investimentos na CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) possam pelo menos aliviar essa pressão."  Avaliação Entre os 11 principais metrôs do mundo, o que apresentou maior evolução foi o de Hong Kong, na China, por causa da unificação das redes da estatal Kowloon-Canton Railway e da concessionária MTR Corporation, administradora do metrô local. Historicamente, o posto de metrô mais superlotado do planeta sempre foi ocupado pelo de Tóquio, no Japão. Em 2007, porém, os japoneses se retiraram da CoMET e deixaram de encaminhar seus dados - os últimos apontavam 8,3 milhões de passageiros transportados por km de linha, ainda abaixo do que São Paulo registra hoje. Criada em 1992, a CoMET é administrada pelo Centro de Estratégia para o Transporte e Ferrovias do Imperial College, de Londres. Tem o objetivo de compartilhar as "melhores práticas" em diferentes áreas, desde o intervalo entre trens até a exploração comercial nas estações. O Estado teve acesso à parte dos dados coletados. Eles mostram que, apesar de superlotado, São Paulo ainda é referência em diversos aspectos, como limpeza e segurança.  (Com informações de Bruno Tavares, Eduardo Reina e Renato Machado, de O Estado de S. Paulo.)

Tudo o que sabemos sobre:
metrô de SPtransporte coletivo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.