Werther Santana/ Estadão
Werther Santana/ Estadão

São Paulo tem o maio mais seco dos últimos 18 anos

O acumulado de chuvas em todo o mês, registrado na estação meteorológica do Mirante de Santana, foi de 10,8 mm. O valor é apenas 16% da média histórica para o mês, que é de 68 mm

Giovana Girardi, O Estado de S.Paulo

01 Junho 2018 | 17h40

SÃO PAULO - A cidade de São Paulo teve o maio mais seco dos últimos 18 anos, de acordo com medições do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) divulgadas nesta sexta, 1. O acumulado de chuvas em todo o mês, registrado na estação meteorológica do Mirante de Santana, foi de 10,8 mm. O valor é apenas 16% da média histórica para o mês, que é de 68 mm.

O índice é o pior desde maior de 2000, que teve 9,3 mm de chuvas. E é o oitavo pior em toda a série histórica, colhida desde 1943. O resultado confirma uma tendência que vem se desenhando desde o começo do ano. Com exceção de março, todos os meses tiveram volume de precipitação abaixo da média histórica. No total, choveram nestes cinco meses pouco mais de 200 mm, 25% abaixo da média para o período.

+++ Reservatório do Sistema Cantareira volta a ficar abaixo de 50%

Segundo o Inmet, houve somente dois dias com chuva em maio na capital, o fim de semana de 19 e 20 de maio, por causa de uma frente fria. Historicamente, o mês costuma registrar de 8 a 9 dias com chuva.

A temperatura média, por outro lado, ficou acima do observado no registro. As temperaturas mínimas tiveram média de 15,5°C, contra 13,8 °C da média histórica. E as máximas ficaram em 24,9 °C, contra média histórica de 23,1 °C. Em compensação, o dia 21 teve a menor temperatura para maio desde 2007, batendo 9,3°C.

A secura tem afetado o abastecimento. No início do mês, depois de quase cinco meses, o reservatório de abastecimento de água do Sistema Cantareira voltou a ficar abaixo de 50%.  Nesta sexta, o sistema tinha 46,2% de índice armazenado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.