Edu Silva/Futura Press
Edu Silva/Futura Press

São Paulo tem 64 ônibus municipais queimados em 2014

Dois veículos foram incendiados na noite desta segunda-feira, em Ermelino Matarazzo

Rafael Italiani, O Estado de S. Paulo

22 Abril 2014 | 11h07

SÃO PAULO - Subiu para 64 a quantidade de ônibus municipais queimados em São Paulo, em 2014, segundo a São Paulo Transporte (SPTrans). No final da noite desta segunda-feira, 21, mais dois veículos foram incendiados em Ermelino Matarazzo, na zona leste. Ninguém se feriu. A polícia suspeita que os ataques aconteceram em represália à morte de um suspeito, na madrugada anterior, que com outros três comparsas que fugiram, teria tentado assaltar um policial federal, no Itaim Paulista, também na zona leste. Ainda de acordo com a SPTrans, o balanço de veículos queimados em 2013 fechou com 65 ocorrências. 

Os dois últimos ataques aconteceram entre as 23h50 e as 23h59, nas ruas Catarina Álvares e Fernão Mendes Pinto, respectivamente. Ainda de acordo com a polícia, os ônibus foram obrigados a parar após serem fechados por um carro verde. Os suspeitos desceram do automóvel, invandiram os coletivos, orderam que os passageiros descessem e atearam fogo.

Linhas intermunicipais. Segundo um levantamento da Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), 17 ônibus intermunicipais foram incendiados nas cidades da Grande São Paulo - quatro deles foram atacados dentro da capital. Apenas na cidade de Guarulhos, foram quatro ataques. O número já ultrapassa os registros da empresa do ano passado: 15 veículos.  

De acordo com a EMTU, a última ocorrência foi justamente em Osasco, na avenida João Ventura dos Santos. Por volta das 23h desta segunda, um grupo formado por 20 suspeitos obrigou o motorista a parar, invadiu o ônibus e ateou fogo. A linha que ligas as cidades de Osasco e Barueri não tinha passageiros. Após o grupo fugir, o motorista voltou para ônibus e conseguiu pegar o extintor para apagar as chamas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.