São Paulo Reclama

CARRO CLONADO

, O Estado de S.Paulo

17 de setembro de 2011 | 00h00

De mãos atadas

Soubemos que o carro de meu pai foi clonado e já recebemos, desde janeiro, oito multas indevidas de São Paulo, Osasco e Praia Grande. Ele recorreu, mas só uma foi arquivada, apesar de termos fotografias provando que são dois carros diferentes. O Detran não toma providências, registramos B.O. e a sugestão que a polícia nos deu foi de vender o carro e passar o problema para a frente! Também podemos entrar com um processo na Justiça, porém não se sabe quanto tempo irá demorar. Continuamos recorrendo das multas, perdendo pontos na carteira e vivendo com medo desses bandidos se envolverem em algum crime ou acidente. Em 2/9, soubemos que o carro clonado fora apreendido em Santo André, mas na 2.ª-feira descobrimos que ele já havia sido "misteriosamente" liberado.

VANESSA PRATA / SÃO PAULO

O Detran informa que não constam registros de bloqueio ou restrições a esse carro. Orienta a leitora a entrar com recurso no órgão autuador, em caso de multas indevidas. Se for indeferido, o condutor poderá pedir a microfilmagem das multas e entrar com outro recurso, desta vez na Junta Administrativa de Recurso de Infração (Jari). Em 2ª instância, o julgamento cabe ao Conselho Estadual de Trânsito. Se a multa questionada foi cometida em São Paulo, deve-se procurar a Jari. Se foi em outro município, o contato deve ser feito com a Jari da Circunscrição Regional de Trânsito (Ciretran) da cidade.

A Polícia Militar não respondeu.

A leitora diz: Dar a orientação para entrar com recurso só aumenta a burocracia e nada resolve. Já tentamos 9 vezes, em vão.

"MINICRACOLÂNDIA"

Assaltos frequentes

Minha namorada mora na Rua Cavalheiro Frontini, em São João Clímaco, na zona sul. Há cerca de dois meses ônibus e caminhões estão estacionando por toda a extensão dessa rua e ficam ali por várias semanas. Traficantes se aproveitam desse "esconderijo" proporcionado pelos veículos para instalar uma espécie de minicracolândia. O número de assaltos ou de tentativas de roubo aumentou assustadoramente. Minha namorada já teve de sair rapidamente com o carro três vezes e eu, em duas, para evitar um assalto. Entramos em contato com a Polícia Militar (PM), mas a instituição não consegue encontrar esses marginais, só os usuários de drogas, que, pela lei, não estão cometendo crime algum. Um policial sugeriu para procurarmos a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET). Mas a companhia de tráfego nada pode fazer, pois o estacionamento não é proibido. Por sua vez, a CET sugeriu que procurássemos a Prefeitura. A resposta dada é sempre a mesma: "Vamos enviar um técnico ao local e avaliar o que podemos fazer". Esse técnico nunca veio e a situação piora a cada dia. Os moradores têm medo de sair de casa após anoitecer, pois sempre há uma roda de pessoas fumando crack, e elas são violentas. Outro dia, só porque olhei para um indivíduo que se drogava, ele colocou fogo num sofá abandonado - pondo em risco ônibus e caminhões que estavam estacionados. Chamei a PM e registrei um Boletim de Ocorrência, mas nada foi feito.

THIAGO SCHADECK FERNANDES / SÃO PAULO

A Secretaria da Segurança Pública e a Polícia Militar não responderam.

O leitor revela: Recebi o contato de capitães da Polícia Militar que cuidam da região do Ipiranga e do Sacomã. Eles garantiram que haveria um efetivo maior da PM nessa região - e a promessa foi cumprida. Entretanto, o problema com os ônibus e caminhões ainda persiste. A única diferença agora é que os usuários passaram a se reunir de madrugada.

SERVIÇOS SUCATEADOS

Falhas dos Correios

Atrasos constantes e perda de documentos são casos frequentes nos Correios nos últimos três anos. Quase que semanalmente envio para o exterior documentos. A ECT não permite que os documentos sejam segurados, a menos que você os envie como mercadoria - dobrando o valor. Quando são perdidos, o ressarcimento não cobre os custos de emissão desses documentos. Minha última queixa é de um documento enviado em 4/7 aos Estados Unidos que até agora não chegou.

ANA DORA PARTOS / SÃO PAULO

Os Correios esclarecem que, por causa de uma falha operacional na Administração Postal dos Estados Unidos, o objeto não foi entregue. Responde que, por isso, providencia a devolução das taxas postais à cliente.

A leitora desabafa: Em 26/8, devolveram o documento sem nenhum carimbo de devolução por parte dos correios do país destinatário - o que significa que ele nem saiu do Brasil. Constatei isso pelo serviço de tracking do correio americano!

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.