São Paulo Reclama

PREFEITURA DE COTIA COBRA POR IPTU JÁ PAGO

, O Estado de S.Paulo

10 de agosto de 2011 | 00h00

"Cobrança amigável"

Moro em Cotia e recebi uma carta de "Cobrança Amigável" da prefeitura, que alega a falta de pagamento do IPTU. Nessa carta não há nenhuma informação sobre a origem e a data exata da dívida nem sobre o seu valor. Mas está bem clara a ameaça de inscrever o meu nome na dívida ativa do município. Não devo nada e fui ao endereço especificado para esclarecer a questão. O local fica no segundo andar de um prédio inadequado, pois não oferece acesso para deficientes nem atendimento prioritário. Esse é apenas o início do absurdo. Os funcionários alegam ser erro do sistema, da empresa terceirizada e do banco e, por isso, o contribuinte deve provar que pagou. Não fornecem nenhum comprovante de que a situação está regular. Fui à sede da prefeitura de Cotia falar com o responsável dessa área e, para minha surpresa, ele não estava ciente de nada. Eu tive de fazer requerimento e protocolá-lo pedindo a correção do erro. Eu sei lutar pelos meus direitos, mas e as pessoas mais humildes, a maior parte da população de Cotia?

PAULO DE ALMEIDA SOARES / COTIA

A prefeitura de Cotia não respondeu.

O leitor ressalta: A questão ainda não está resolvida. Hoje irei à prefeitura para receber a resposta do requerimento. Para mim, essas cobranças são suspeitas, pois atingiram um grande número de pessoas. Também enviei esta queixa para um jornal local e a prefeitura justificou que o erro foi do banco, que não informara os pagamentos. A prefeitura também desobedece a lei federal que a obriga a enviar um documento com a quitação de todos os pagamentos efetuados no ano anterior.

SAÚDE PÚBLICA

Sem assistência

Tenho um parente que sofre de doença mental. Em 7/7 ameaçou uma senhora de 74 anos com uma faca, além de agredi-la verbalmente em meio a uma crise. Ligamos para o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), esperamos por cerca de 5 horas e entramos em contato, pois não tivemos retorno. Soubemos então que não havia ambulância disponível para o socorro. A polícia explicou que não poderia fazer nada, por ser caso de saúde. Felizmente, nada de pior aconteceu, pois todos os familiares se dirigiram ao local para ajudar. Mas, se dependêssemos do sistema público de saúde, talvez teríamos apenas o suporte para o enterro dessa senhora.

ANNE PADRÃO / SÃO PAULO

A Secretaria Municipal da Saúde não respondeu.

A leitora diz: Não recebi resposta até hoje. O doente continua na mesma situação e não temos condições de pagar por serviço de psiquiatria particular.

PRIMEIRA CICLORROTA

Ainda falta conscientização

Ao inaugurar a primeira ciclorrota de São Paulo na zona sul, em 20/7, na realidade, a Secretaria Municipal de Transportes está oferecendo para os aficionados e inocentes ciclistas uma nova rota para a morte que funcionará 24 horas por dia, pois parte do traçado é de intenso tráfego e somente quem mora na região da Chácara Santo Antonio sabe que os motoristas não respeitam limites de velocidade e usam seus veículos como verdadeiras máquinas de guerra, isto graças à falta de fiscalização. A preferência das vias públicas para bicicletas tem limite.

JOSÉ MILLEI / SÃO PAULO

A CET responde que, em todo o percurso compartilhado entre automóveis e bicicletas da Ciclorrota do Brooklin, a velocidade máxima permitida é de 30 km/h. Para garantir a segurança, foram instaladas 290 placas de sinalização de regulamentação e advertência, 390 metros de sinalização horizontal, 3 rotatórias e 35 faixas nas principais vias do percurso. Há agentes de trânsito alocados em pontos fixos nos cruzamentos da Rua Chafic Maluf com a Avenida Roque Petroni Júnior, dessa com a Rua Cancioneiro Popular e na interseção da Avenida Santo Amaro com a Rua Verbo Divino. O trajeto da Ciclorrota é monitorado pela rota operacional e está em locais com tráfego local ou onde há vias coletoras. A CET, nos últimos 2 anos, estuda alternativas para o trânsito mais seguro de bicicletas na vias da capital. Acrescenta que, além da Ciclofaixa, com 45 km de extensão, estão em andamento projetos para a instalação de mais 55 km de ciclovias.

O leitor ressalta: Há a necessidade de uma campanha educativa maciça, tanto para os motoristas quanto para ciclistas, pois vejo que as leis de trânsito são desrespeitadas pelos dois. Concomitantemente a isso, a implantação das Ciclorrotas é, sem dúvida, um avanço na tentativa de convivência harmônica no trânsito. O mais importante é a conscientização do valor da vida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.