São Paulo Reclama

O SEDEX SUMIU

, O Estado de S.Paulo

03 de agosto de 2011 | 00h00

E o prejuízo é da cliente

Aguardo meu celular chegar via Sedex desde o dia 22/6. Esqueci o aparelho num táxi em Anápolis (GO), cidade onde eu estive a trabalho. Consegui realizar a parte mais trabalhosa: o taxista postou o celular pelos Correios no dia 23/6 para a minha casa em São Paulo. Mas a parte mais fácil falhou, o Sedex não chegou. Entrei em contato com os Correios em 29/6, registrei reclamação no site, esperei os 5 dias úteis para obter uma resposta e até liguei para o atendimento ao cliente. Porém, ninguém soube informar o que acontecera com o pacote. Somente em 12/7 recebi um e-mail dizendo que o objeto tinha sido extraviado e pediram meus dados bancários para o reembolso do valor pago pelo Sedex. Para piorar, como não sou o remetente, devo conseguir uma autorização por escrito dele para que o depósito seja feito em minha conta e não na do taxista. Não aceito receber como reembolso apenas o valor correspondente ao Sedex, pois perdi o meu objeto de trabalho.

CAMILA PASTORELLI / SÃO PAULO

A Diretoria Regional dos Correios de São Paulo Metropolitana informa que a encomenda foi extraviada, motivo pelo qual o remetente tem direito à restituição dos valores postais pagos. Explica que, como o remetente autorizou esse pagamento à destinatária, em razão do conteúdo ser de uso pessoal dela, a indenização será depositada em conta corrente bancária informada pela cliente em até 15 dias úteis, a partir de 26/7.

A leitora reclama: Infelizmente, não tenho por resolvido o problema, uma vez que o valor pago como indenização não foi suficiente pela perda que tive. Vou ao Procon.

APERTO NOS VOOS TAM

"Assento desconforto"

Viajei pela TAM e, como tenho 1,85 metro de altura, pedi a poltrona que fica na saída de emergência - agora chamada de "assento conforto", pela qual é cobrada taxa de R$ 20. Mas como pode ser considerado confortável se ela não reclina, o passageiro não pode pôr nada junto dos pés e, se houver problema no voo, ele terá de remover uma porta de 15 kg. Um avião tem, em média, 120 lugares e há 12 assentos conforto. Os R$ 240 arrecadados por esses lugares poderiam ser divididos por todos, cobrando R$ 2 a mais por passagem. Poderiam ainda retirar duas fileiras de poltronas e aumentar o espaço para todos, cobrando um pouco a mais pelo bilhete, oferecendo assentos realmente confortáveis.

IDIVAL ROSA / SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

A TAM explica que, no check-in e mediante pagamento, o passageiro pode optar pelos assentos na 1ª fileira e nas saídas de emergência, que dispõem de mais espaço. Esse serviço não é cobrado de clientes com necessidades especiais ou prioritários - como crianças desacompanhadas e de berço e passageiros com cão-guia -, que devem ser atendidos prioritariamente nas poltronas da 1ª fileira. A aquisição é opcional e essa é uma maneira democrática de oferecer a todos os clientes um serviço muito procurado. A prática é uma tendência na aviação mundial, sendo também adotada por outras empresas no País.

O leitor discorda: Não vejo essa cobrança ser feita por outras companhias nacionais.

ATENÇÃO À SINALIZAÇÃO

Respeito aos pedestres

Louvável a decisão da CET em multar quem invadir e desrespeitar a faixa de pedestres. Mas os faróis serão colocados antes dos cruzamentos das ruas? Se deixá-los após o cruzamento, a indústria da multa está, mais uma vez, instituída, pois o objetivo não será conscientizar o motorista, mas puni-lo.

ARTHUR BIAGIONI JUNIOR / CAMPINAS

A CET esclarece que o posicionamento dos semáforos na cidade de São Paulo atende a critérios técnicos que buscam a padronização da sinalização com ênfase na segurança e fluidez dos pedestres e veículos. O padrão de instalação dos semáforos, após os cruzamentos, permite melhor visibilidade do farol a distância e para os veículos parados na retenção. A partir de 8/8, intensificará a fiscalização em relação ao desrespeito à preferência do pedestre na faixa de segurança.

O leitor observa: A resposta não convence. Não há padronização da sinalização semafórica em nenhuma cidade do Brasil. Os semáforos são instalados ora antes do cruzamento ora depois. Se houvesse padronização e eles fossem instalados antes do cruzamento e antes das faixas de pedestres, o índice de atropelamentos cairia, assim como o número de multas e ainda haveria aumento de fluidez do tráfego. A visibilidade a distância não será afetada como citado, desde que se instalem com os semáforos elevados semáforos auxiliares colocados na linha de visão dos motoristas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.