São Paulo Reclama

TABOÃO DA SERRA

, O Estado de S.Paulo

13 Julho 2011 | 00h00

Rede de esgoto só em 2015?

Moro na Rua Edith Piaf, Jardim Pedro Gonçalves, em Taboão da Serra. Apesar da valorização do bairro e de pagar um valor alto do IPTU, tenho de usar fossa séptica (tratamento primário de esgoto usado em zona rural ou em casas isoladas). Vizinhos e eu reclamamos na Sabesp e na prefeitura, mas nada foi feito. Liguei para a Ouvidoria da Sabesp e a atendente disse que constava no sistema que a companhia já me respondera e que eu teria de ir à agência local. Informou que o custo para realizar o serviço é de R$ 96.044. Perplexa, pedi para repetir o valor e ela desligou.

HAYDEE YAMAMOTO / TABOÃO DA SERRA

A Sabesp responde que solicitou um estudo para a instalação de rede de esgoto na rua da leitora, mas ela não concordou em pagar o valor da obra. Será necessário instalar 293 metros de rede e a empresa arca com os custos da execução de até 20 metros de rede por imóvel, cabendo ao morador o pagamento do restante. Tal demanda faz parte do plano de universalização dos serviços de saneamento até 2018. De acordo com tal planejamento, o local em questão será atendido até dezembro de 2015, na terceira etapa do projeto de despoluição do Rio Tietê, sem custo para a cliente.

A leitora lamenta: Até parece que o serviço só beneficiaria a minha casa! Fiquei indignada ao saber que a obra está prevista só para 2015. Moro há 10 anos nessa cidade e não há como escoar a água do chuveiro e do tanque, pois a rua é sem saída e há um muro no final dela. Pago por ano R$ 1.100 de IPTU, porque disseram que a região é valorizada em razão do Shopping Taboão, mas continuo a usar fossa, um absurdo!

PEDÁGIO SEM PARAR

Risco de acidente

Sou usuário do Sem Parar/Via Fácil há anos. Já fiz reclamação e sugestão sobre o perigo do atual sistema de cancelas, mas não tive resposta. Mesmo respeitando os limites de velocidade e a distância permitida, há risco de acidentes por causa do grande número de veículos. Quando o fluxo para, o motorista é surpreendido. Houve até um acidente na minha região, em Rio Claro. A cancela não abriu e o veículo parou e foi atingido por um caminhão. Não houve vítimas, por sorte. Na última semana de junho, no pedágio da Rodovia Bandeirantes, em Limeira, o veículo que estava à minha frente parou e um fiscal foi ao local para liberar a cancela. Eu parei e sinalizei, mas o motorista de um caminhão quase causou um grave acidente. Sugiro que substituam as cancelas físicas por virtuais. Poderiam instalar sinais luminosos: o verde significaria "siga" e o vermelho, "dirija-se à área de inspeção". Se houvesse problema, o motorista estacionaria em área de recuo. Não sei qual é a estatística de acidentes, mas basta ver as marcas de freadas no asfalto.

EDUARDO FARIA / RIO CLARO

O Sem Parar/Via Fácil responde que existe há 11 anos. Salienta que recebe cerca de 10 mil ocorrências por mês, que equivalem a 0,02% das operações. Menos de 2 mil ocorrências estão ligadas às pistas de pedágio ou de estacionamento. Esse porcentual se manteve estável nos últimos anos, mesmo com o aumento de usuários. A não abertura de cancela não significa falha, pois envolve vários fatores, como a entrada de um veículo não habilitado (sem o TAG) na pista automática. Ratifica o compromisso de garantir a segurança dos clientes e diz que eles devem manter a distância mínima de 30 m do veículo à frente; trafegar em velocidade máxima de 40 km/h; não usar o TAG fora do veículo cadastrado; respeitar o farol da pista automática e estar pronto para parar, caso a cancela não abra.

O leitor alerta: O problema só será resolvido quando houver um acidente fatal.

TRAVESSIA PERIGOSA

Ponte do Morumbi

Gostaria se alertar as autoridades sobre o perigo para atravessar a Ponte do Morumbi (13-B). Corre-se o risco de ser assaltado e ainda há vários usuários de droga. As empresas do condomínio onde trabalho pagam uma van para que seus funcionários a atravessem com segurança. Não basta pagar impostos, ainda temos de arcar com a falta de empenho na fiscalização e no policiamento.

MARCELO DE MOURA / SÃO PAULO

CENTRO DEGRADADO

Carta ao prefeito

Senhor prefeito, a restauração do Teatro Municipal ficou linda, como vi na TV. Mas não levarei a minha avó ao teatro, por causa da violência no centro da cidade. Outro dia, vi um rapaz pedindo informações a um segurança do Metrô sobre a Cracolândia. Imagine levar uma senhora de 80 anos a um local que cheira a urina e onde pessoas usam drogas a céu aberto!

THIAGO CASTILHA / SÃO PAULO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.