São Paulo Reclama

PROBLEMA FREQUENTE

, O Estado de S.Paulo

05 Julho 2011 | 00h00

Falta água em Guarulhos

Em outubro de 2010, entrei em contato com a imprensa e com a Ouvidoria do Serviço Autônomo de Água e Esgoto de Guarulhos (Saae) para reclamar sobre a falta de água frequente na Rua Soldado João Alberto Alves, na Vila São Ricardo. Logo em seguida, a empresa me procurou, convocou uma reunião com os moradores, quebrou calçadas, cavou buracos e prometeu uma solução até 25/12/2010. Mas a situação somente se manteve normalizada por 2 meses. O problema começa por volta das 8 horas e só temos água entre as 22 e 23 horas.

NEIDE DOS ANJOS LÁZARO / GUARULHOS

O Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de Guarulhos informa que foi instalado registrador de pressão na rua citada em 14/6 e se constatou intermitência durante alguns períodos do dia. Recomenda que, nesses casos, as residências possuam caixa d"água adequada para a quantidade de moradores para que seja possível minimizar os efeitos dos períodos sem abastecimento pela rede. De acordo com a norma técnica e o Código de Posturas do Município, os imóveis devem ter reservatórios de água para, pelo menos, 24 horas de consumo, e os dispositivos do imóvel devem estar ligados diretamente ao reservatório. O local é abastecido pelo booster Picanço e ele está programado para ser substituído até 30/6, o que melhorará o atendimento na região.

A leitora diz: Tenho reservatório próprio, de acordo com as exigências do Saae. A resposta da abastecedora é sempre a mesma. Para não ficar com a imagem pior do que a atual, diante das reclamações ela dá explicações técnicas e sempre propõe a mesma solução, que, no final, não resolve nada.

BARULHO E MAU CHEIRO

Vizinho incômodo

Em abril, denunciei pelo 156 da Prefeitura um boteco na Rua Fernando de Albuquerque, na Consolação. A proprietária do bar deposita cadeiras e mesas embaixo de meu apartamento e não tem o alvará que permite a extensão horizontal de seu estabelecimento. O filtro instalado não tem a eficácia sanitária que deveria ter, pois o cheiro de comida invade os apartamentos dos moradores do prédio. Já fiz três queixas na Prefeitura.

WALTER ZINGEREVITZ / SÃO PAULO

A Secretaria de Coordenação das Subprefeituras informa que a Subprefeitura Sé fez uma vistoria na noite de 30/6, mas o estabelecimento estava fechado. Esclarece que a fiscalização continuará vigilante e, caso alguma irregularidade seja constatada, os equipamentos serão recolhidos e o proprietário, notificado, sob pena de multa. Com relação à reclamação sobre o filtro, explica que a Secretaria do Verde e Meio Ambiente já abriu a denúncia e fará uma vistoria técnica no local citado para averiguar a situação e tomar as devidas providências.

O leitor diz: O horário do estabelecimento é das 18 horas até meia-noite, menos na segunda-feira. É muito desagradável ter de fazer o papel suplementar de paladino das leis municipais de nosso prefeito para que uma certa ordem urbana seja respeitada e exercida. Espero agilidade efetiva da subprefeitura.

APENAS PROMESSAS

Árvores na capital

A Subprefeitura Mooca mentiu ao jornal quando informou que as árvores arrancadas (no Brás) seriam replantadas na primeira semana de junho. (Em 4/6, a Coluna publicou a reclamação do leitor sr. Juliano sobre o corte de árvores nas Ruas Sampson, Joli e Euclides da Cunha, no Brás). Apenas a enorme árvore em frente ao número 69 da Rua Sampson foi reposta, mas por uma bem menor, o que mostra resultado pequeno em relação à queixa.

FLÁVIO MARCUS JULIANO / SÃO PAULO

Desde o mês de julho de 2010 solicito à Subprefeitura do Butantã a poda de uma árvore que está com a copa avantajada, cheia de galhos pendurados em torno da fiação elétrica e que avançam sobre o telhado de minha casa na Rua Valdomiro Fleury, no Butantã. Nenhuma poda foi feita nos últimos três anos e é cada vez maior o risco de acidente com pedestres, veículos e também com a fiação existente no local.

CYRO QUEIROZ FIUZA / SÃO PAULO

A Subprefeitura Butantã informa que já foi feita uma vistoria no local. Responde que, assim que for autorizada a poda da árvore, a AES Eletropaulo será avisada para que possa liberar a fiação elétrica e a subprefeitura consiga realizar a poda.

O leitor reclama: Depois de ter passado mais de um mês do contato feito pela São Paulo Reclama, que enviou a resposta da Subprefeitura Butantã, comunico que o problema da poda da árvore continua pendente e sem solução.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.