São Paulo Reclama

EM DEFESA DO VERDE DA CIDADE

, O Estado de S.Paulo

01 Julho 2011 | 00h00

Alerta solitário

Uma construtora pretende retirar 1.244 árvores de um bosque de 63,7 mil metros quadrados na Rua Visconde de Porto Seguro e em área vizinha, no bairro do Alto da Boa Vista. O empreendimento foi autorizado pela Secretaria Municipal do Verde e do Meio Ambiente, por meio de Termo de Compensação Ambiental (TCA). O corte das árvores nesse terreno e no vizinho, de 85,7 mil metros quadrados, acabará com um dos últimos maciços arbóreos de São Paulo visíveis a mais de 10 km de altitude! Também acabará com a fauna (saguis, esquilos e aves) existente no bosque! Fazem-se urgentes providências das autoridades para evitar essa grande perda para São Paulo.

URSULA HAUPT / SÃO PAULO

A Secretaria do Verde e do Meio Ambiente esclarece que, nos dois casos apontados pela leitora, existem Termos de Compensação Ambiental firmados com esta pasta, que garantem a compensação pelo manejo da vegetação autorizado. No caso do terreno da Rua Porto Seguro, está previsto um plantio de aproximadamente 4.700 mudas no entorno e conversão de mudas a serem doadas a obras e serviços a serem realizados em parques municipais. No caso do terreno vizinho, a compensação ocorreu com a doação de um terreno particular para a implantação de um parque, além da doação de mais de 33 mil mudas e de protetores de mudas aos viveiros municipais.

A leitora discorda: Não acredito nos Termos de Compensação Ambiental, pois o que prometem é utopia. Onde vão conseguir plantar 700 mudas? Quantos anos as árvores precisarão para crescer? E para quê, se já há vegetação nativa maravilhosa no terreno? Temos de lutar para preservar o verde que resta.

PROJETO ENGAVETADO

Sinalização urgente

Peço o apoio do prefeito Kassab e da CET para que o projeto para a melhoria do fluxo viário do entroncamento das Ruas Aldeia 20 de Setembro, Paulo Avelar e Cruz de Malta, na Vila D. Pedro I, parado desde 2006, seja retomado e posto em prática. Trata-se do projeto de sinalização vertical, incluindo a faixa demarcatória de pista, bem como faixa de pedestres. A razão é que no entroncamento são recebidos carros de outras duas ruas, que desembocam na Rua Paulo Avelar, gerando risco de atropelamento ao pedestre e ainda de colisão de veículos. Isso porque não há sinalização capaz de ordenar o tráfego. Quantas mortes e acidentes teremos no local até que a CET implante definitivamente o projeto já aprovado em 2006?

NELSON ADELINO PEREIRA / SÃO PAULO

O Departamento de Imprensa da CET informa que o entroncamento citado vai ganhar uma rotatória de 6 metros de diâmetro, faixas zebradas nas aproximações desse dispositivo, faixa dupla amarela divisora de fluxos e placas de regulamentação e de advertência de interseção em círculo (rotatória). O projeto prevendo todas essas sinalizações para aumentar as condições de segurança viária no local está pronto e será priorizado dentro do cronograma de implantação de projetos da CET.

O leitor indaga: Aguardo há mais de 5 anos pela implantação do projeto. Gostaria de saber qual é o cronograma da CET para o local.

AUMENTO ABUSIVO?

Explicação insuficiente

Recebi a fatura da NET no valor de R$ 340,44. Isso significou aumento mensal da NET TV de R$ 169,65 para 187,63, (10,60%), e de Sócio PFC de R$ 49,90 para R$ 59,90 (20%). Liguei para a NET em 16/6 e a atendente se limitou a informar que é um aumento anual, cobrado de todos os clientes. Respondi que queria saber em que a empresa se baseou para aumentar os valores, mas a funcionária não soube responder. Considero o aumento unilateral e abusivo, que não se justifica, por isso solicito que os aumentos sejam revistos pela NET.

INÊS DONATA M. RUIZ BATISTA / SÃO PAULO

A NET informa que entrou em contato com a cliente e esclareceu as dúvidas sobre a mensalidade.

A leitora responde: A empresa entrou em contato e disse que o reajuste da TV se baseou no Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M), de acordo com o contrato, e o do Sócio PFC simplesmente foi reajustado. A empresa se recusou a enviar a explicação por escrito. Não fiquei satisfeita.

FIOS SUBTERRÂNEOS

Medida para evitar apagão

É só chover para São Paulo virar um caos e ficar sem energia elétrica. Uma solução seria enterrar os fios em áreas críticas da cidade, onde há apagão, para que ficassem mais protegidos.

SÉRGIO APARECIDO NARDELLI / SÃO PAULO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.