São Paulo Reclama

UNIRADIAL

, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2011 | 00h00

Gato por lebre

Estou no 7.º semestre do curso de Direito na Uniradial. Mudei de outra faculdade para esta, porque me foi oferecida uma bolsa. No 1.º semestre (agosto 2010) tive 2 matérias com a metade da carga horária (44 horas), com cobrança correspondente. Mas neste semestre essa mesma carga horária está sendo cobrada como integral (88 horas). A coordenadora do curso informou que nesses dias seriam providenciadas oficinas sobre assuntos que não estão na grade curricular. Mas, para cursá-las, soube que terei de pagar. Estou tentando resolver esse problema com a coordenação do curso desde fevereiro. A secretaria diz que o valor está correto. A Uniradial decide mudar a forma de cobrança e não informa os alunos?

JULIANA DINIZ /SÃO PAULO

A Estácio Uniradial informa que a estrutura curricular é dividida por períodos semestrais que, somados, totalizam a carga horária do curso. Essa estrutura é composta por um grupo de disciplinas podendo cada uma variar em carga horária teórica, prática e de campo. No semestre de ingresso da sra. Juliana em 2010, (6º), eram 6 disciplinas com 4 créditos (88 horas) e 2 com 2 créditos (44 horas), dentre as de 4 créditos, 2 eram compostas de 2 créditos teóricos e 2 créditos campo (atividade estruturada). Quanto ao valor da mensalidade, este é calculado pela quantidade de créditos contratados . Quanto ao requerimento citado, o mesmo foi respondido em 15/3, esclarecendo essas informações e informando que o valor do boleto está correto.

A leitora diz: Até concordo que essas aulas sejam atividades complementares. Mas elas foram cobradas e não foram dadas nem o serão, já que o 7.º semestre se encerra em 2 semanas.

SMILES - GOL

Restrições em site

Sou cliente Smiles desde 1995. O problema é que não consigo acessar minha conta, pois não possuo o navegador Internet Explorer no computador. O site bloqueia o acesso e informa que só com esse navegador é possível acessar a área restrita. Em vez de avisar o usuário que o conteúdo do site será mais bem executado com tal navegador, eles bloqueiam o acesso! Liguei ao 0800 e o atendente sugeriu que eu fosse a uma lan house para acessar a conta. Pode parecer brincadeira, mas, infelizmente, não é. Não posso verificar minha conta, emitir bilhetes Smiles, alterar meus dados cadastrais, por não ter o tal navegador. Estou privado de acessar o site do Programa Fidelidade, que possui informações sigilosas sobre minha vida. Esse é o tratamento que a GOL destina aos seus clientes Smiles.

CESAR TAKAOKA / SÃO PAULO

A GOL informa que entrou em contato com o cliente, sr. Takaoka, e ressaltou que o acesso ao site da companhia é possível por meio do navegador Internet Explorer, por estar de acordo com suas necessidades operacionais.

O leitor reclama: A questão não foi solucionada e, segundo a GOL, não será. Disse à companhia que não posso ser obrigado a utilizar o que não quero. No meu caso, uso um computador Mac e o Internet Explorer não funciona nele. Se eu for a uma loja da GOL e pedir para consultar o saldo ou emitir um bilhete Smiles, isso também não é possível.

MAIS QUEIXAS

Falta de energia elétrica

Como fica o consumidor? Fiquei sem luz de terça-feira (7/6) até sexta-feira (10/6), a 1 hora. O governo precisa fazer realmente algo pela população. Moro em Carapicuíba e a falta de energia lá é uma constante. Ir à AES Eletropaulo solicitar ressarcimento pelos prejuízos é complicado e demorado. Estou indignada!

JANIE C. POSSI LOPES / CARAPICUÍBA

TELEFÔNICA

Prazo não cumprido

Em 11/4, solicitei à Telefônica uma alteração de endereço para meu telefone e o prazo dado foi de até 10 dias. Mas, passados mais de 30 dias, nada foi feito. Já liguei várias vezes para a empresa e sempre recebo a mesma resposta. Dizem que a instalação está marcada para o dia seguinte, geralmente 24 horas depois da data do telefonema, porém ninguém aparece.

ROSE FERREIRA / SÃO PAULO

A Telefônica informa que a leitora sra. Rose optou por cancelar o serviço. Diz que entrou em contato com a cliente para prestar os esclarecimentos necessários e pedir desculpas pelos transtornos causados.

A leitora comenta: Eu pedi o cancelamento do serviço e da conta cobrada indevidamente. Porém, apesar da solicitação, não recebi nada que comprovasse que o serviço foi realmente cancelado. Recebi apenas um número de protocolo. Espero não receber nenhuma cobrança daqui a alguns meses.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.