São Paulo Reclama

HOSPITAL DO SERVIDOR PÚBLICO ESTADUAL

, O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2011 | 00h00

Três meses para consulta

Em 30/12/2010, enviei e-mail à coluna sobre os problemas que os pacientes do Grupo de Joelho, do Setor de Ortopedia do Hospital do Servidor Público Estadual, têm para marcar consultas dentro de um prazo compatível às suas necessidades. Desde março, tento marcar retorno, mas não consigo. Os atendentes dão informações desencontradas. Ora pedem para ligar às 7 horas, ora no decorrer do dia. Alguns funcionários dizem que eu posso agendar a consulta pela internet; outros, somente pelo telefone. O tempo vai passando e a doença vai avançando. Apesar de a Ouvidoria ter registrado a minha queixa, não há retorno para saber o que está sendo feito pelo hospital para resolver a questão.

ELIANA MARIA DANTAS BENTO DA SILVA / OSASCO

O Instituto de Assistência Médica ao Servidor Público Estadual (Iamspe) informa que a consulta da sra. Eliana para a Ortopedia foi marcada para 8/6. Esclarece que o atendimento chegou a ser marcado para o dia 1º/6, mas teve de ser transferido por incompatibilidade de horários. Responde que a paciente agendou outra consulta para o mesmo dia também no Hospital do Servidor Público Estadual. Acrescenta que a leitora passou por consulta com o mesmo médico em 30/3.

A leitora diz: A consulta de 8/6 foi marcada pela Ouvidoria. Infelizmente, não fui porque meus exames não estavam prontos. Desmarquei-a para dar chance a outro paciente. A consulta de 30/3 foi agendada pela Ouvidoria após eu ter enviado um e-mail ao jornal. Só consigo marcar consulta para o Grupo de Joelho quando mando uma reclamação para o Estadão. O tempo de espera para consultas é de aproximadamente 3 meses.

PREJUÍZOS

Falta de luz na capital

É absurdo ter faltado energia elétrica em vários pontos da cidade de São Paulo nos dias 7 e 8/6. Moro na Vila Matilde e fiquei sem luz por 17 horas: desde as 19 horas do dia 7 até as 12 horas do dia 8. Tentei por várias vezes entrar em contato com a AES Eletropaulo, mas o telefone só dava ocupado.

TIAGO MARTINS DE SOUZA/ SÃO PAULO

Estou impressionada com a falta de estrutura na comunicação da AES Eletropaulo com seus usuários. Pelo 0800 é uma missão impossível. Já pela internet, a informação é: "Serviço indisponível no momento". Não há notícias na página, o que deveria ser obrigatório. Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), cadê você?

MARINA M. LEITE DO CANTO/ SÃO PAULO

Acabou a energia elétrica na minha rua, a Oscar Pedroso Horta, no Jardim Arpoador em 7/6 às 17h30 e só voltou em 8/6, às 23 horas. Tentei entrar em contato com a AES Eletropaulo a partir das 19 horas. Depois da décima tentativa, o sistema me jogou numa fila de espera de 44 minutos! Após esse tempo, a desorientada e mal-educada atendente não soube explicar o motivo da falta de luz nem a previsão do restabelecimento da energia. Às 21h15, liguei novamente e, após 41 minutos de espera outra funcionária deu as mesmas respostas. Desisti, acendi várias velas e quase botei fogo na casa. Na manhã seguinte, entrei em contato com a Eletropaulo e de novo as mesmas informações. Trabalho o dia inteiro no computador, perdi o dia e dois clientes. A falta de luz aqui está se tornando algo rotineiro. A desculpa de agora foi a chuva. Também perdi várias carnes que estavam armazenadas no freezer e na geladeira. Quando a luz voltou, estava na cama quase dormindo e as luzes da casa se acenderam. Um monitor de 22 polegadas queimou, o micro-ondas "morreu", o painel da geladeira apagou e o videogame não funciona mais. Quem vai pagar pelo prejuízo?

MAURICIO DUTRA / SÃO PAULO

PERIGO EM TRAVESSIA

Faixa de pedestres apagada

A CET também desrespeita a faixa de pedestres. No dia 26/4, solicitei um serviço de manutenção de sinalização de trânsito na Rua Capitão Otávio Machado, próximo ao número 950, no bairro Santo Amaro. A faixa está apagada e fica perto de uma escola, pondo em risco a vida dos pedestres. Apesar da solicitação, até o momento nada foi feito.

CLAUDIA CRISTINA TIRICH / SÃO PAULO

A CET informa que, após vistoria, foi elaborado projeto de revitalização da sinalização horizontal da Rua Capitão Otávio Machado, que irá contemplar a manutenção da faixa de segurança próxima ao local solicitado. Diz que o projeto será adotado conforme cronograma de serviços da companhia.

A leitora reclama: Ainda nada foi feito. Quanto tempo vou ter de esperar para que as providências sejam tomadas? Já colocar faixa com os dizeres "Respeite o pedestre" na Avenida Paulista a CET faz rapidinho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.