São Paulo Reclama

ÁRVORES ARRANCADAS NO BRÁS

, O Estado de S.Paulo

04 de junho de 2011 | 00h00

Crime ambiental

Gostaria que a Prefeitura informasse aonde foram parar as seis árvores da Rua Sampson, as três da Rua Joli e as três da Rua Euclides da Cunha, no Brás. Todas elas, que estavam verdinhas, simplesmente sumiram! Na penúltima semana de maio, em frente ao número 69 da Rua Sampson, uma árvore de mais de 6 metros também sumiu. Como ficava em frente a um posto de saúde, pode ser que estivesse fazendo "mal à saúde".

FLAVIO MARCUS JULIANO / SÃO PAULO

A Subprefeitura Mooca informa que as árvores, recentemente plantadas nas Ruas Sampson, Joli e Dr. Euclides da Cunha, foram arrancadas de forma irregular e serão replantadas na primeira semana de junho. Ressalta que a remoção de árvores sem autorização é crime ambiental e o responsável pela ação está sujeito a multas, conforme legislação vigente. Qualquer pessoa que registrar um ato semelhante pode denunciá-lo pelo 156, nas praças de atendimento das subprefeituras ou pelo http://sac.prefeitura.sp.gov.br.

O leitor comenta: Até ontem, 3/6, ainda não replantaram nenhuma. A árvore de mais de 6 metros de altura, que estava ao lado do posto de saúde na Rua Sampson, n.º 69, foi derrubada e o local onde ela estava já foi cimentado. Essa frondosa árvore não teremos de volta e a multa (se é que será paga) jamais compensará a perda. Na reportagem de 29/5, do Caderno Metrópole, SP perde 12.187 árvores em 4 meses, a Secretaria do Verde e do Meio Ambiente disse que "fiscaliza árvore por árvore" e o prefeito Gilberto Kassab afirmou que "remoção sem aval não é feita". São duas mentiras que deveriam ser denunciadas, pois a própria resposta da Subprefeitura Mooca diz tudo.

TRENS SUCATEADOS

Greve dos ferroviários

Sou usuária dos trens da CPTM e, como todos os passageiros, fui prejudicada pela greve dos ferroviários. Todos os dias embarco na Estação Jaraguá e desembarco na Barra Funda. Tenho acompanhado pelos noticiários várias entrevistas com chefes, diretores, enfim, funcionários de alto nível da CPTM, sobre a greve que acabou ontem. Eles ressaltavam que o sindicato e os funcionários estavam prejudicando a população, que depende do transporte para trabalhar. Para mim, é a CPTM quem prejudica todos os dias os que precisam utilizar esse meio de transporte. Paga-se caro pela passagem e as composições de trens não atendem à demanda. A malha ferroviária está em péssimo estado de conservação e não há indícios de investimento para melhoria. Se alguém tem dúvidas do meu relato, sugiro que faça uma viagem da Estação Francisco Morato até a Estação Luz às 6 horas e da Estação Luz à Francisco Morato às 18 horas para poder comprovar o descaso com que os usuários são tratados pela empresa. Na quinta-feira, 2/6, demorei mais de 3 horas para fazer o percurso até o meu trabalho. Mas a impressão que eu tenho é de que os funcionários da CPTM ganharam o apoio da população, que também está cansada de ser tratada com descaso pela companhia.

MÁRCIA MARIA MARTINS / SÃO PAULO

TELEFONES PÚBLICOS

A maioria não funciona

Recentemente, precisei usar o telefone público nos Shoppings Pátio Paulista e Boa Vista. Mas foi difícil encontrar um aparelho que funcionasse. Quem é o responsável pela manutenção: os shoppings ou a Telefônica? Sabe-se que os orelhões instalados nas ruas não funcionam. Os centros de compras deveriam seguir o exemplo do Metrô, onde os telefones públicos sempre funcionam.

JOSÉ ANTONIO BRAZ SOLA / SÃO PAULO

A Telefônica não respondeu.

O Pátio Paulista esclarece que os reparos dos telefones públicos localizados no shopping não são de sua responsabilidade. Informa que está sempre atento a possíveis problemas nos aparelhos e à disposição para adotar os meios necessários para solucioná-los.

O Boavista Shopping informa que a equipe de operações do empreendimento verifica periodicamente o funcionamento dos telefones públicos localizados no interior do shopping. Diz que quando alguma falha é detectada a equipe aciona a Telefônica, responsável pela manutenção dos aparelhos, para efetuar o reparo. Ressalta que a última manutenção foi feita pela Telefônica em 30/5.

O leitor comenta: Em 17/5, recebi uma ligação de um funcionário da Telefônica, que agradeceu a queixa e informou que tomaria providências. Quando eu morava próximo ao Shopping Boa Vista e frequentava o local diariamente, via que os problemas nos telefones públicos eram frequentes. Na resposta parece que minha reclamação não corresponde à realidade. Eu não denunciaria à toa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.