São Paulo Reclama

INTERVENÇÕES DA CET

, O Estado de S.Paulo

12 Maio 2011 | 00h00

Piora o trânsito

Há dois anos a CET realiza uma série de intervenções na região da Vila Mariana e da Vila Clementino que prejudicaram o trânsito em locais próximos. Colocaram um semáforo na

esquina da Rua Professor Ascendino Reis com a Rua Estado de Israel prejudicando toda a região próxima à Rua Cubatão e Humberto I, como consequência do corredor de motos na Rua Vergueiro. No final de abril, foi instalado um corredor de ônibus com 500 metros de comprimento, que fecha um crucial acesso à Avenida Sena Madureira - desequilibrando todo o tráfego, inclusive em ruas que nunca apresentaram problemas, como: a Afonso Celso, a Marselhesa, a Mairinque, a Doutor Diogo de Faria, a Borges Lagoa e a Avenida Domingos de Morais. Já está mais do que na hora de que modificações no trânsito não sejam mais experiências sem embasamento e que o trabalho da CET seja pautado por critérios de técnicos e não por "achismos".

ESTEVÃO CYRO ITALO CZEKUS / SÃO PAULO

A CET não respondeu.

O leitor reclama: Não houve contato de nenhum órgão público. Os engarrafamentos decorrentes das alterações na Rua Domingos de Morais, para a criação do referido corredor de ônibus, com o fechamento do acesso à Rua Sena Madureira, continuam repercutindo de maneira ruim na região, notadamente nas Ruas Doutor Diogo de Faria, Mairinque e Marselhesa. Há congestionamentos diários, poluição ambiental e sonora e insegurança - numa região que abriga cinco escolas e que é essencialmente residencial.

VIAÇÃO COMETA

Vítimas sem assistência

Tive parentes envolvidos no acidente ocorrido em 15/4 com um ônibus da Viação Cometa, em direção a Ribeirão Preto. O veículo - que levava minha irmã, sobrinha e dois afilhados - capotou e eles foram levados a um hospital público. O atendimento médico não foi adequado. Minha irmã foi praticamente despejada do hospital. Foi constatado, num atendimento particular, que meu sobrinho tinha sofrido uma fratura mais grave e precisava passar por uma cirurgia para pôr pinos. Nos dias após o acidente, ninguém da empresa os procurou para saber como eles estavam sendo atendidos. Agora a Viação Cometa joga o problema para a seguradora (cujo nome não me foi informado), mas ninguém entrou em contato. Para piorar, a empresa passou a não atender mais os telefonemas, e as vítimas que fiquem com o prejuízo! É muita falta de respeito e, principalmente, humanidade.

MARCO ANTONIO RODRIGUES BRAZ CANÇADO / SÃO PAULO

A Viação Cometa não respondeu.

O leitor diz: Nada mudou.

PINHEIROS

Falta de luz constante

Moro na Rua Francisco Leitão,Pinheiros, há mais de 20 anos e gostaria de saber por que sempre falta energia elétrica no bairro. Nos últimos meses, principalmente aos sábados e domingos pela manhã, há de 4 a 5 quedas de energia. Nós, moradores, não somos avisados dessas interrupções e isso resulta em danos a aparelhos eletrônicos.

EUCLIDES CARLOS BONINI / SÃO PAULO

A AES Eletropaulo informa que as ocorrências registradas na região foram causadas por queda de galhos de árvores sobre a rede. Frequentemente as interrupções são programadas durante os finais de semana para melhorar a prestação de serviço. Todos os moradores atingidos pela interrupção são avisados via carta. O cliente pode solicitar pedido de indenização de aparelhos danificados pelos canais de atendimento.

O leitor contesta: Ao contrário do que diz a AES Eletropaulo, nunca fui informado por carta sobre essas interrupções.

LIXÃO

Em zona nobre

Venho denunciar o desmazelo com a limpeza pública nos bairros Vila Andrade, Morumbi e Jardim Sul. Na esquina da Rua Castelhanos com a Carvalho de Freitas, perto de minha casa, está se formando um verdadeiro lixão! O local se transformou num depósito de pneus velhos - ótimo criadouro de dengue -, lixo e entulho, impedindo até a passagem de veículos. Para completar, há meses há o vazamento de água de um buraco da calçada.

REJANE TACCHI / SÃO PAULO

A Secretaria Municipal da Saúde (SMS) não respondeu.

A leitora revela: O lixão aumenta a cada dia. Com as chuvas, caíram árvores em cima de um muro e elas ficaram atravessadas na rua. Tudo isso ao lado de uma creche e uma escola.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.