São Paulo Reclama

Violência no Real Parque

, O Estado de S.Paulo

03 Maio 2011 | 00h00

Moro no Real Parque há mais de dez anos e nunca vivenciei um período de tanta violência. Todos os dias somos surpreendidos com notícias ruins. Em 1.º/4, na minha rua, o apartamento de uma família foi invadido durante o dia e os cinco moradores, entre eles crianças e idosos, foram rendidos como reféns. As autoridades abandonaram o bairro. Enquanto a região dos Jardins tem reforço policial e câmeras, o Real Parque não tem câmeras nem um posto da Polícia Militar (PM). Eu já sofri sequestro relâmpago e há alguns meses um pai de crianças pequenas foi assassinado em um assalto, quando entrava na garagem do prédio dele. Também houve vários assaltos em drogarias, inclusive com idosos presentes. O que mais precisa ocorrer? O Real Parque é um bairro familiar e os moradores realizam atividades sociais com as pessoas que vivem na favela que existe na região. Até quando estaremos desprotegidos?

CECILIA MARSHALL / SÃO PAULO

A Polícia Militar responde que desenvolve atividades preventivas no bairro, com o emprego dos programas de policiamento alocados com o uso de ferramentas inteligentes. Explica que as informações da comunidade são fundamentais para o planejamento operacional da Polícia Militar e os dados fornecidos pela leitora já estão sendo considerados pelo Batalhão de Área.

A leitora contesta: O problema não foi solucionado. Precisamos de um posto policial, mesmo que móvel, no bairro.

A favela do Real Parque, infelizmente, ainda abriga um número significativo de bandidos como moradores. A resposta da PM não oferece solução aos problemas da falta de segurança.

PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

Problemas com a NET

Em 29/10 transferi a minha linha telefônica para a NET e, uns 45 dias antes, o serviço de internet. Durante os primeiros meses não tive problemas, mas, em 22/3, as extensões da linha pararam de funcionar. O técnico fez a regulagem, testamos o sinal e ele estava normal. Como logo depois viajamos, pensei que estivesse tudo resolvido. Porém meu cunhado ligou para o meu celular para dizer que durante 5 dias tentou me telefonar e somente escutava chiados. Liguei para o número de casa do meu celular e também só escutei chiados. Mesmo assim as ligações foram debitadas do saldo da minha conta de celular. Não sei mensurar os prejuízos causados, tanto financeiros como pessoais. Questiono quantas pessoas devem ter ligado para mim, sem retorno.

LAERT PINTO BARBOSA / SÃO PAULO

A NET informa que, em contato com o cliente, resolveu as questões citadas.

O leitor relata: Em 27/4 a empresa prometeu alguns benefícios e que iria entrar em contato com o meu filho para acertar as cobranças indevidas (período em que a linha não funcionou). Mas a NET não o contatou. Perde-se muito tempo em telefonemas e esperando um retorno - que na maioria das vezes não atende aos nossos objetivos. Troquei para a NET porque a sua concorrente era péssima, mas já houve 4 visitas técnicas, além de ficar sem telefone em mais da metade do período em que sou assinante.

METRÔ

Solução só no futuro

Estou indignada com o Metrô, pois é insuportável viajar na Linha Verde. Foram incluídas duas paradas, sem que aumentasse a quantidade de trens. Quando o terminal era no Alto do Ipiranga, há cerca de 4 meses, o serviço era melhor. Após a Estação Sacomã ser incluída na Linha Verde, aumentou o número de pessoas e agora tem gente saindo praticamente pela janela. Os usuários entram empurrando, sem respeitar até mesmo os idosos.

CARLA BARBOSA / SÃO PAULO

A Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) informa que está em instalação na Linha 2 -

Verde o Communication-based train Control (CBTC), sistema de controle de trens que permitirá reduzir o intervalo entre as composições, ampliando a capacidade de transporte e a oferta de lugares. A companhia se preparou para a ampliação de demanda da Linha 2 com a compra de 16 trens, todos em operação. Estratégias operacionais são usadas para embarque preferencial de idosos, gestantes, usuários com crianças e com mobilidade reduzida. Diz que funcionários ficam posicionados nas plataformas de embarque para orientar, auxiliar e controlar o embarque e o desembarque.

A leitora diz: A meu ver não foi colocada essa quantidade de trens, pois o tempo de espera é grande e há superlotação. Como o governo quer implantar o rodízio de carro duas vezes por semana, se as condições do transporte público não são adequadas?

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.