São Paulo reclama

MEDICAMENTOS GRATUITOS

, O Estado de S.Paulo

16 de abril de 2011 | 00h00

Atraso na entrega

No dia 4/4 fui ao Hospital das Clínicas, conforme agendamento, para retirar os medicamentos: Plasgrel, Lipitor, Puran T4, Diamicron, Enalapril, Aspirina, Metilformina e Telol, pois tive enfarte e faço tratamento. Esperei por 1 hora até descobrir que faltava o Plasgrel. Em fevereiro esperei 4 horas para ser atendida e, neste ano, várias vezes faltou um dos remédios. Não posso deixar de tomar o Plasgel e o Lipitor (estes duas vezes ao dia, mas só tomo uma por não tê-lo em quantidade suficiente). Tentei obtê-los pela farmácia de alto custo (mantida pelo governo do Estado, que fornece determinados remédios de alto custo para pacientes cadastrados) de Valinhos, mas o processo demora cerca de 40 dias.

ROSELI ROBERG / VALINHOS

O Sistema da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo-Hospital das Clínicas (FMUSP/HC) informa que a atorvastatina (Lipitor) está com estoque insuficiente e que faz parte do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica. Sendo assim, ele é adquirido pela Secretaria de Estado da Saúde, que informou que o item já foi comrado da Pfizer. A Divisão de Farmácia do Instituto Central do Hospital das Clínicas da FMUSP (ICHC) entrou em contato com a Pfizer e obteve a informação de que o item seria entregue em 12/4. A paciente já foi informada de que pode retirar o medicamento.

A leitora diz: Fui avisada por telefone de que havia o medicamento e, por isso, vim a São Paulo em 5/4. Na farmácia disseram que não havia serviço de telefone aos pacientes e me negaram o remédio. No dia 12/4 enviaram o medicamento por um motoqueiro. O serviço está muito desorganizado.

RETRATO DA EDUCAÇÃO

Salário de aposentada

Sou professora aposentada desde 1985. Lecionei por 30 anos, a maioria deles trabalhando com excepcionais (classe especial). Recebo R$ 1.048,15 mensalmente de aposentadoria, valor menor do que o salário-base de iniciantes, que é de R$ 1.106,49. Por diversas vezes tentei que resolvessem essa diferença. Gostaria que o jornal indagasse à Secretaria da Fazenda o motivo dessa diferença de valor e o que tenho de fazer para acertá-la, inclusive receber os valores devidos atrasados.

LÍCIA GARCIA PAULIELO/ JUNDIAÍ

A Secretaria da Fazenda do Estado de São Paulo esclarece que a diferença ocorre em razão da Gratificação por Atividade do Magistério (GAM), paga somente para servidores em atividade. Entretanto, explica, a Lei Complementar

n.º 1.107/2010, ao tratar da reclassificação de vencimentos e salários dos integrantes do quadro do magistério, estabeleceu a absorção progressiva da gratificação em três etapas (1º/3/2010, 1º/3/2011 e 1º/3/2012). Responde que esse benefício é extensivo aos inativos e, conforme o cronograma estabelecido pela legislação, a sra. Lícia estará totalmente integrada até 2012.

RUA DOS MORTOS

Ponto viciado de sujeira

O Cemitério São Luiz, no Jardim São Luiz, zona sul, está cercado de lixo e carcaças de carros. À noite por causa da iluminação ruim o cenário é assombroso. A sujeira ultrapassa a região do cemitério, pois está espalhada ao longo da Rua Antônio Ramos Rosa, conhecida também como a "Rua dos Mortos". DEVANIR AMÂNCIO / SÃO PAULO

A Subprefeitura M"Boi-Mirim responde que a área citada é um dos maiores pontos viciados de entulho da região e que mantém regularmente equipes de limpeza no local. Em março, 128 toneladas de detritos foram recolhidos. Trata-se de crime ambiental descartar entulho na rua e a multa é de

R$ 12 mil. As carcaças serão removidas na próxima semana.

O leitor sugere à Prefeitura que coloque caçambas no local.

VILA GUILHERME

Carcaças de carros

Algumas ruas do bairro Vila Guilherme estão sujas, como também há mato alto nas calçadas das Ruas Nelson e Piatá. Para piorar, os moradores têm de conviver com a carcaça de carros abandonados na região e uma caçamba, deixada lá há 4 meses. Fiz uma queixa na Prefeitura, mas nada foi feito.

SILVIO PEREIRA E SILVA / SÃO PAULO

A Subprefeitura de Vila Maria/Vila Guilherme informa que, em outra vistoria ao local, não foram constatados os carros abandonados que haviam sido previamente notificados. Informa que a capinação nas referidas vias foi feita há 3 semanas e que o serviço é executado rotineiramente. Na próxima semana, outra ação de capinação e raspagem será realizada.

O leitor reclama: Até o momento os veículos não foram retirados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.