São Paulo Reclama

7 MESES SEM TRATAR O MAL DE PARKINSON

, O Estado de S.Paulo

09 de abril de 2011 | 00h00

Falta de medicamento

Já havia registrado uma reclamação sobre a falta do medicamento Sifrol, para portadores do mal de Parkinson, fornecido pelo governo. No dia 28/3 fui informada de que até o ano passado o remédio era fornecido ao governo pelo laboratório Boehringer. Mas o laboratório Sandoz passou a fornecê-lo após ser realizada outra licitação. Porém essa empresa não está conseguindo suprir as necessidades da rede pública. Nenhum desses laboratórios tem programa de auxílio ao consumidor que não tem condições para comprar medicação tão cara, de uso contínuo e extremamente necessária aos pacientes que sofrem dessa doença.

ROSELY BORGHESE / SÃO PAULO

A Secretaria de Estado da Saúde esclarece que o último lote do medicamento Sifrol teve de ser retirado das unidades, após avaliação feita por técnicos que constataram que o alumínio da embalagem acarretou alterações no produto, o que poderia pôr em risco a saúde dos usuários. Explica que, após novo pregão, o laboratório vencedor regularizou seus estoques do remédio e deve entregar o medicamento na próxima semana.

A leitora informou à Coluna que entrou em contato com o laboratório Sandoz e obteve a informação de que a empresa regularizou a entrega em 18/3. Reclamou que até o momento o problema não foi resolvido e que seu pai, portador do mal de Parkinson, não recebe o medicamento desde setembro do ano passado e que, por isso, seu estado de saúde piorou. Disse ainda que ele não tem condições de comprar o remédio, pois cada caixa custa R$ 280 e ele precisa de 3 por mês.

ISENÇÃO DE IPTU

Informações difíceis

Tenho dois imóveis na capital e o direito à isenção de IPTU naquele de maior valor. No sistema da Prefeitura, há um terceiro imóvel em meu nome e a isenção do IPTU foi dada a ele. O problema é que vendi o imóvel em julho de 2005 e não tenho contato com os atuais proprietários. Portanto, serei obrigado a ir ao cartório e pagar pela escritura. Em 3/2 fui à Praça de Serviços da Prefeitura, no Anhangabaú, fui atendido após quase 2 horas de espera, sem sucesso. Liguei para a Ouvidoria, mas o funcionário se recusou a registrar a queixa. O contribuinte, hoje, é obrigado a dizer que não é o dono de um imóvel, antigamente era o contrário.

RAUL MILTON SILVEIRA LIMA / SÃO PAULO

A Secretaria Municipal de Finanças esclarece que o imóvel citado está em nome da atual proprietária. O benefício fiscal do IPTU retornará ao imóvel de maior valor venal cadastrado em nome do sr. Lima. Solicita que o leitor aguarde as novas cartelas do IPTU 2011 com o reconhecimento da isenção/desconto na base de cálculo. A Ouvidoria-Geral da cidade de São Paulo confirma o contato do munícipe. Segundo a gravação telefônica, constata-se que ele foi orientado em relação aos procedimentos a serem adotados para a isenção do IPTU, que estão informados no site da Secretaria, mas houve uma discordância em seguir a recomendação. Foi-lhe dada então a opção de registrar sugestão sobre sua insatisfação nesta Ouvidoria.

O leitor rebate: Em 7/4, recebi mais uma cartela do IPTU, mas o problema persiste. A isenção, a que tenho direito, não é processada e tenho dificuldades para obter informações.

SERVIÇO DEMORADO

Árvore prestes a cair

Desde janeiro pedi à Prefeitura que retirasse uma árvore podre que está quase caindo sobre minha casa, na Alameda Gabriel Monteiro da Silva, Jardim América. Não posso fazer nada sem autorização. Já liguei diversas vezes para a subprefeitura e o responsável pela questão sempre diz que vai tomar providências, mas nada é feito. A árvore está praticamente em cima do meu quarto. Deram um prazo de até 30 dias para a solução.

FERNANDO BACCARI / SÃO PAULO

A Subprefeitura Pinheiros esclarece que a árvore citada será removida nos próximos dias, pois um engenheiro agrônomo da Prefeitura constatou, após vistoria, que há risco de queda. Diz que o laudo aponta que a árvore sofreu podas irregulares que ocasionaram na sua desestabilização ao longo do tempo. Ressalta que podas sem a devida autorização da Prefeitura são crime e os responsáveis podem ser multados. Informa ainda que uma nova espécie será plantada no local e que o serviço pode ser solicitado pelo 156.

O leitor explica: Trata-se de uma palmeira que não tem galhos, na qual nunca fiz poda alguma. Nunca apareceu um engenheiro para fazer vistoria. Entrei em contato com a Prefeitura para obter a autorização para cortá-la, pois está podre. Minha reclamação se tornou ameaça da Prefeitura, uma piada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.