São Paulo Reclama

SABESP

, O Estado de S.Paulo

07 de abril de 2011 | 00h00

Solução depois de 2 meses

Em fevereiro, meu pai, que é cadeirante, solicitou à Sabesp que verificasse o retorno de esgoto para os canos da casa dele na Vila Madalena, pois um pedreiro, contratado por ele, constatou o problema, informando-lhe que o conserto era de competência dessa empresa. Ele já havia quebrado o pavimento, que vai da garagem até a calçada, e os funcionários da Sabesp disseram que retornariam para fazer uma microfilmagem a fim de descobrir onde estava o vazamento. A obra da garagem foi concluída e o pedreiro deixou sem pavimento a parte em que a Sabesp teria de intervir, ou seja, ficou aberto um buraco em parte da garagem até a calçada. Desde 5/2, meu pai telefona quase todos os dias para a Ouvidoria da Sabesp e a resposta que obtém é de que a empresa enviará funcionários para verificar o problema, mas nada é feito. A cada nova queixa ele recebe um número diferente de protocolo. Meu pai está com dificuldades de locomoção, pois, com a calçada quebrada, é muito difícil para ele sair de casa de cadeira de rodas.

ROSA MARIA EID WEILER / SÃO PAULO

A Assessoria de Comunicação da Sabesp informa que foi executada, em 29/3, filmagem do ramal de esgotos local, que constatou funcionamento normal. Diz ainda que a sra. Rosa ficou ciente da situação e prosseguirá com a reforma do imóvel, inclusive fará a reposição da calçada.

A leitora confirma: A Sabesp foi à casa de meu pai somente após eu enviar uma reclamação à São Paulo Reclama. A empresa fez a microfilmagem e afirmou que não há mais retorno do esgoto.

UBATUBA ABANDONADA

Paraíso com problemas

Tenho uma casa de veraneio em Ubatuba e fui para lá em março. Estou horrorizado com o abandono da cidade. As ruas do bairro do Perequê-Açu, que não são asfaltadas, estão tomadas pelo mato e esburacadas. A prefeitura só está preocupada em proibir o trabalho dos camelôs e que os donos dos quiosques coloquem cadeiras na areia e toquem música no local. Também instalou Zona Azul nas praias. Para piorar, permite a entrada de ônibus de turistas de um dia, que emporcalham toda a praia e não trazem nenhum retorno econômico, pois trazem comida e bebida.

GILBERTO RIBEIRO DA SILVA / CARAPICUÍBA

A Prefeitura de Ubatuba diz que retomou neste mês o programa Ação Conjunta, que prevê manutenções das vias públicas, com serviços de capina, pintura de guias e postes, operação tapa-buracos, patrolamento e nivelamento. O serviço chegará no bairro do Perequê-Açu nos próximos meses. Além das chuvas frequentes, o problema dos buracos das ruas do bairro Perequê-Açu é agravado pelas obras de instalação da rede de esgoto. A empreiteira contratada pela Sabesp deverá concluir as obras até novembro. Com relação à proibição de música em quiosques, essa foi uma determinação da Justiça do Estado de São Paulo e a decisão foi revertida, em fevereiro, pela prefeitura, que lutou com a Justiça Federal em prol dos quiosqueiros para que a música fosse liberada. Ubatuba é uma estância turística e tem como obrigação receber turistas de um dia. O município tem 720 ambulantes legalizados e a fiscalização ao comércio de ambulantes clandestinos visa a não prejudicar o trabalho dos que pagam seus impostos em dia e dependem do turismo.

A leitora discorda: Quem redigiu essa resposta nunca esteve em Ubatuba, pois essa situação perdura há anos. A boa administração pública se preza pela transparência e lisura, e deve cuidar daquilo que é mais relevante para quem paga impostos. Correr atrás de ambulante, com tantos problemas para serem resolvidos é demais!

ILUMINAÇÃO PÚBLICA

Problema frequente

Há aproximadamente 1 mês a lâmpada de um poste na altura do número 168 da Rua Maestro José Tescari, no bairro Penha de França, está queimada. Registrei várias queixas na Prefeitura e, todas as vezes, o prazo estipulado para a solução do problema é de 4 dias corridos, mas nada é feito.

WILSON TEIXEIRA DIAS / SÃO PAULO

A Secretaria de Serviços, por meio do Departamento de Iluminação Pública (Ilume), informa que já realizou os devidos reparos na Rua Maestro José Tescari. Equipes de manutenção compareceram ao local em outras oportunidades, realizando troca das lâmpadas, em atendimento a protocolos abertos pelo leitor e, em 24/3, também estiveram no local restabelecendo a iluminação. Informa que o sr. Dias confirmou o reparo.

O leitor revela: A lâmpada ficou acesa apenas por 1 dia. Creio que o problema está em alguma peça ou componente da iluminação dessa rua.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.