São Paulo Reclama

SKY - PROMESSAS DE VISITAS TÉCNICAS

, O Estado de S.Paulo

01 de abril de 2011 | 00h00

Péssimo atendimento

Desde o dia 6/3 vários canais da SKY estão sem sinal nos pontos principal e adicional de casa. Telefonei cerca de 20 vezes para a central e a empresa marcou visitas técnicas nos dias 9, 10, 15 e 17 de março, mas ninguém apareceu. Pedi o cancelamento do plano, porém a atendente prometeu que, sem falta, um técnico iria ao meu imóvel no dia 15/3 e que eu receberia um desconto na próxima fatura. Como ninguém apareceu, liguei de novo. Uma funcionária, com desinteresse, disse que a data marcada era 17/3 e que se eu quisesse cancelar só precisaria confirmar o endereço para alguém ir buscar os aparelhos. Perdi a paciência e ela desligou. Logo depois, telefonou para tirar satisfações. Desliguei o telefone, mas ela manteve a linha bloqueada e tive de ligar para a Telefônica para desbloqueá-la. Senti-me ameaçado e entrei em contato com a SKY. Dessa vez a funcionária foi atenciosa e prometeu passar o caso para o seu supervisor e que iria retornar até o dia seguinte às 22h30, o que, de novo, não ocorreu. Em 17/3, consegui conversar com um supervisor, que prometeu resolver pessoalmente o problema. Mas ainda continuo sem sinal! Devo recorrer à Anatel?

MATIAS KLINKE / SÃO PAULO

A SKY informa que um funcionário tentou entrar em contato com o sr. Klinke, em 25/3, mas não obteve êxito. Diz que foi enviado um e-mail ao cliente solicitando o retorno para resolver a questão.

O leitor desmente: O problema não foi solucionado. No e-mail que eu recebi não pedia para que eu retornasse nem meu celular registrou nenhuma ligação da SKY nem recado. Ontem fiquei o dia todo esperando a visita de um técnico.

INSTALAÇÃO MALFEITA

Danos à linha telefônica

Em 20/2 foi instalado o serviço de banda larga da TVA em casa. Depois que os funcionários saíram, verifiquei que o telefone não funcionava, pois eles tinham danificado o cabo telefônico ao fazer a instalação. Estou há mais de duas semanas pedindo uma visita técnica para que seja reparado o dano. Dizem que, em 48 horas, alguém entrará em contato para agendar uma visita, o que não ocorreu até agora.

FERNANDA DIAS / SÃO PAULO

A TVA esclarece que entrou em contato com a assinante, que informou ter efetuado o reparo por conta própria e acrescentou que não tinha o comprovante fiscal para o ressarcimento do valor gasto. A TVA afirma que, em caráter de exceção, em comum acordo, foi negociado estorno a ser creditado na fatura de abril.

A leitora explica: Contratei um eletricista por conta própria e a TVA ofereceu um desconto de 50% no valor gasto.

VENDA DE SPEEDY

Para região sem sinal

Assinei o Speedy em 27/1. O modem foi entregue no prazo, mas não foi possível fazer a conexão. Liguei várias vezes para a Telefônica, na tentativa de solucionar o problema. Um técnico, após visita, fez um pedido de tratamento de rede, pois o sinal oscilava muito. Como continuava sem conexão, entrei em contato com a empresa e recebi duas respostas: uma, dizendo que até o dia 7/3 eu conseguiria conexão, e outra, que um técnico viria fazer os reparos.

JOÃO GABRIEL T. MISSAGLIA / JAGUARIÚNA

A Telefônica informa que, nesse momento, não há viabilidade técnica para oferecer o serviço de banda larga com a performance adequada no endereço do leitor.

O leitor diz: Optei em instalar outro serviço de internet.

CLASSE ECONÔMICA

Assentos apertados

O ministro da Defesa Nelson Jobim criticou o pouco espaço disponível nos aviões para os passageiros. Porém, nenhuma medida foi tomada sobre esse e outros descasos. Agora a tendência das companhias aéreas é cobrar mais pelos assentos mais espaçosos. A TAM, por exemplo, cobra até R$ 40 a mais por esses lugares.

LUÍS ALBERTO DE A. RAMOS / SÃO PAULO

A TAM responde que o Assento Conforto foi adotado por causa do número de solicitações de reservas nas poltronas da 1ª fileira e das sugestões de passageiros. Sobre a configuração de algumas poltronas dos aviões da companhia, diz que direcionou esse assunto ao conhecimento dos responsáveis, para que as eventuais restrições sejam estudadas.

O leitor diz: É estranho o fato de os passageiros terem sugerido pagar mais pelo mínimo de conforto. Sobre o comentário de que seria levado ao conhecimento dos responsáveis o assunto das poltronas, não acredito que não saibam das dificuldades dos passageiros com mais de 1,65 m nessas aeronaves.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.