São Paulo reclama

PROGRAMA FIDELIDADE DA TAM

, O Estado de S.Paulo

26 Março 2011 | 00h00

As milhas sumiram

Em janeiro acessei a minha conta fidelidade da TAM. A senha estava inabilitada e, após conseguir nova senha pelo serviço de internet, descobri que os pontos tinham sumido. Reclamei no Fale com o Presidente TAM explicando que não havia emitido nenhuma passagem. Após mais de 20 dias sem respostas, fui informado de que a emissão fora feita pela internet e que "o problema era meu". Solicitei que fosse enviada formalmente uma resposta, o que ocorreria em 24 horas, mas até hoje continuo aguardando. Tentei falar com a Ouvidoria, mas nunca sou transferido nem atendido por alguém que tenha o mínimo de bom senso para perceber que a TAM é quem está com problemas: seus sistemas são frágeis e seus atendentes, inaptos. Isso é um desrespeito com o cliente. Sou uma vítima e não um estelionatário.

ANTONIO CAVALCANTI / SÃO PAULO

A TAM responde que, por meio do Fale com o Presidente, serviço de atendimento ao cliente, entrou em contato por e-mail com o sr. Cavalcanti para informá-lo de que está aguardando algumas informações e esclarecimentos internos para prosseguir com a análise e concluir o processo. Diz que entrará em contato com o sr. Cavalcanti tão logo tenha os esclarecimentos aos seus comentários.

O leitor comenta: A resposta-padrão foi a de que as passagens haviam sido emitidas pela internet, que eles não têm responsabilidade e não vão me reembolsar. A empresa deveria questionar os beneficiários das passagens emitidas e como eles as adquiriram. Afinal, deveria constar um telefone de contato desses "passageiros".

FALTA SEMÁFORO

Cruzamento perigoso

Reclamo do perigo enfrentado pelos motoristas para cruzar as Ruas Arruda Alvim e Cardeal Arcoverde, em Pinheiros. Como não há semáforo, os carros que vêm da Rua Arruda Alvim têm de esperar muito tempo para cruzar a transversal, correndo o risco de sofrer uma batida na lateral do veículo, pois os carros e os ônibus vêm em alta velocidade, embalados pelo acentuado declive da Rua Cardeal Arcoverde. Além disso, os pedestres sofrem para atravessar a via, correndo sério risco de serem atropelados.

DANTE RAGLIONE / SÃO PAULO

A CET informa que irá instalar um semáforo para veículos com fase específica para pedestres no cruzamento das Ruas Cardeal Arcoverde e Arruda Alvim. O local já está sinalizado com faixa de pedestres e placa "Pare", no entanto, a nova sinalização busca melhorar as condições de circulação e a segurança dos usuários da região.

O leitor reclama: A CET prometeu uma solução, mas passados quase 30 dias o semáforo não foi instalado.

DESCASO DE HOSPITAL

Procedimento questionado

Em agosto de 2010, após passar por uma colostomia na Santa Casa de Santos, meu pai foi encaminhado ao quarto, em vez de ir à UTI. Dois dias depois ele morreu com infecção generalizada. Deixei passar algum tempo para que a emoção e a dor ficassem mais amenas e então enviei carta ao hospital pedindo explicações sobre o procedimento. Mas a tradicional Santa Casa de Santos ignorou o primeiro e-mail, enviado em 24/9, e o segundo, de 28/10, encaminhado à Diretoria Clínica. Não questiono a morte de meu pai, mas o procedimento e o modo como trataram minha família.

HELENA CRISTINA COELHO / SÃO PAULO

A Santa Casa de Santos não respondeu.

A leitora confirma: Não recebi nenhuma resposta do hospital.

TELEFÔNICA

Cobrança indevida

Recebi cobrança da Telefônica por serviços cancelados há tempos. O pior é ter de ligar para a Central de Atendimento, ficar horas ao telefone e ainda ser atendido por pessoas que não possuem a mínima competência. O problema é que a cobrança, de valores significativos, foi feita em débito automático. E a resposta que recebi dos funcionários é de que vão entrar em contato, mas nunca o fazem. CELSO MARQUES / SÃO PAULO

A Telefônica informa que cancelou o serviço mencionado pelo sr. Marques e creditará, em conta com vencimento em 12/5, o valor cobrado indevidamente. A empresa acrescenta que entrou em contato com o cliente para esclarecer as providências adotadas. Para outros esclarecimentos, os clientes devem entrar em contato com a Central de Atendimento, ligando para o tel. 10315 (ligação gratuita). O serviço funciona 24 horas.

O leitor revela: A empresa se comprometeu a efetuar o crédito. Espero que cumpra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.