São Paulo reclama

Desencontro e espera

, O Estado de S.Paulo

08 Março 2011 | 00h00

Domingo, 20/2, às 19h20, quando retornava de Ilhabela, meu carro teve uma pane geral e parou na Interligação das Rodovias Tamoios e Carvalho Pinto, sentido capital. Fiquei quase duas horas com o meu filho de 6 anos e mais dois familiares na estrada escura esperando auxílio da Ecopistas. Por causa da demora, liguei novamente e informaram que a empresa não tem concessão daquela área e se negaram a nos ajudar. Somente após a intervenção do DER a concessionária nos atendeu, pois, de fato, a concessão é da Ecopistas. Porém, nada foi feito. Depois de esperar por um bom tempo, um carro da Ecopistas chegou, mas nada fez e ainda os funcionários disseram que eu informara o local errado. Um guincho e um táxi chegaram ao local sem nenhum problema, após eu mesmo ligar.

EDUARDO GOSLING / SÃO PAULO

A Ecopistas concorda que houve equívoco na interpretação das informações passadas pelo usuário por parte dos colaboradores do Centro de Controle Operacional da concessionária. Após apuração, descobriu que a equipe, que recebeu a solicitação de auxílio, entendeu que o veículo estava no quilômetro 9 da Rodovia dos Tamoios, próximo à alça de acesso à Rodovia Carvalho Pinto, para onde, prontamente, foi enviado recurso. No entanto, esclarece, sem localizar o carro em questão, no primeiro momento, uma viatura de inspeção de tráfego percorreu o restante do trecho concedido à Ecopistas da Rodovia dos Tamoios, entre os quilômetros 4 e 11, nos dois sentidos, mas sem sucesso. Em uma nova tentativa, o usuário foi localizado na alça de acesso à Carvalho Pinto. Diz ainda que orientou suas equipes e tomou as medidas necessárias para que ocorrências como essa não se repitam e pede desculpas pelos transtornos causados à família.

VIAJENET

Cobranças indevidas

Em dezembro de 2010, comprei um pacote de um cruzeiro para Buenos Aires, incluindo as passagens aéreas e o hotel. Em janeiro, foram feitas duas cobranças indevidas: uma no valor de

R$ 279,04 e outra de R$ 338,08 em meu cartão de crédito. Só me estornaram a cobrança de R$ 279,04. Para piorar, no retorno da viagem, a Pluna Airlines informou que a passagem paga não dava direito de trazer bagagens. Por esse motivo tive de pagar US$ 90 por três malas. Ora, como passaria uma semana viajando com duas crianças sem bagagem? Quero receber os valores cobrados indevidamente em dobro e o ressarcimento do valor que eu tive de pagar pelo transporte das malas.

RONALDO ZABEU LOPES / SÃO PAULO

A Viajenet informa que o cliente foi contatado para esclarecer que a empresa irá ressarci-lo da cobrança da bagagem da Companhia Aérea Pluna, mediante comprovação de pagamento. Salienta que, dentro da negociação de fechamento da venda do Cruzeiro, a consultora informou via telefone e e-mail sobre a diferença que seria cobrada (R$ 338,08) referente à taxa e à diferença de tarifa dessa companhia, e somente após a autorização do passageiro sr. Lopes todo o processo foi finalizado.

O leitor comenta: A empresa depositou na minha conta corrente o valor da bagagem e da cobrança indevida que foi realmente reconhecida por ela, diferentemente do que foi informado na resposta ao jornal.

SABESP

Zona Norte sem água

Os moradores dos bairros Jaraguá, Perus e arredores ficaram sem o abastecimento de água por mais de duas semanas em fevereiro. A justificativa da Sabesp é de que estão sendo realizadas obras de manutenção. Todos os dias a Sabesp abre os registros por um curto espaço de tempo e logo os fecha, deixando os moradores dessa região sem água na maior parte dos dias. O pior é que pagamos as contas de água com a taxa de esgoto inclusa - que não custa pouco.

MÁRCIA MARIA MARTINS/ SÃO PAULO

José Julio Pereira Fernandes, superintendente da Unidade de Negócio Norte da Sabesp, informa que, por conta do calor excessivo dos últimos dias, o nível operacional do reservatório Jaraguá, que abastece os bairros citados, ficou prejudicado. Acrescenta que houve também um defeito elétrico, em 5/2, que prejudicou o abastecimento, pois paralisou três grupos de bombas da Estação Elevatória de Água Brasilândia. Esclarece que, para normalizar o abastecimento em todo o setor, entrará em operação, no início de abril, a nova adutora Guaraú/Jaraguá. Diz que a empresa emprega todos os esforços para garantir o pleno abastecimento da região e pede que a população colabore com o uso racional da água.

A leitora diz: Na última semana de fevereiro faltou água durante o dia todo. A taxa de esgoto é legal? Recebi uma conta de R$ 250,06, sendo R$ 125,03 de água e R$ 125,03 de esgoto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.