São Paulo Reclama

LIMPEZA NA AVENIDA ESCOLA POLITÉCNICA

, O Estado de S.Paulo

02 Março 2011 | 00h00

Serviço não concluído

Escrevo na tentativa de conseguir que a Prefeitura faça a manutenção da Avenida Escola Politécnica, no Butantã. Ela está em total estado de abandono, desde a Rodovia Raposo Tavares até a Avenida Corifeu de Azevedo Marques. Há mato no canteiro central, nas áreas laterais e nas calçadas. Em alguns trechos esse mato chega a 2 metros de altura e invade a pista - o que pode causar acidentes. Em vários pontos há acúmulo de lixo e entulho, como também o matagal serve de abrigo para marginais, ratos e insetos. Já enviei várias solicitações pelo site da Prefeitura, mas nada é feito.

APPARICIO DE MELLO NETO / SÃO PAULO

A Subprefeitura Butantã informa que, desde o início da semana do dia 14/2, a Avenida Escola Politécnica está recebendo os serviços de limpeza, manutenção e corte de mato. Diz que até o final da semana citada os serviços serão concluídos em toda a extensão da via.

O leitor reclama: Há duas semanas alguns poucos funcionários da Prefeitura estiveram no local cortando parte do mato numa área próxima à Rodovia Raposo Tavares, sem concluir o serviço. No entanto, até ontem (1.º/3) nenhum funcionário da Prefeitura retornou à área. Tirei fotos do canteiro central da Avenida Escola Politécnica pra comprovar como o mato invadiu a pista, podendo provocar acidentes. Pergunto: como pode uma das principais avenidas da maior cidade do País e dona do maior orçamento estar nessas condições? Só pode ser incompetência administrativa aliada ao descaso com os munícipes que pagam seus impostos esperando, no mínimo, viver numa cidade limpa.

ABANDONO NA BELA VISTA

Sujeira e risco de dengue

Há anos que, em nome de uma suposta preservação histórica, o abandono de uma casa localizada no n.º 376 da Rua Artur Prado, na Bela Vista, ameaça a saúde dos moradores do entorno e também do bairro. O que restou da estrutura de alvenaria dessa velha casa está cheio de lixo, como também há mato na calçada esburacada, obrigando os transeuntes a atravessar a rua para poder continuar a sua caminhada. Por que gastar o dinheiro público com falsas campanhas de prevenção à dengue e a outras doenças, quando os principais responsáveis pelo serviço público aumentam os riscos pela omissão na prevenção e proteção da saúde pública?

DIVA LUISA DE LUCA / SÃO PAULO

A Subprefeitura da Sé informa

que o proprietário do imóvel citado já foi notificado a realizar a manutenção e a limpeza do local, sob pena de multa, renovável a cada 30 dias, caso os serviços não sejam executados.

A leitora comenta: Ressalto a inoperância do serviço das subprefeituras, que ficam aprisionadas a notificações inócuas. A limpeza do terreno da casa apodrecida foi feita, mas o lixo já voltou a se acumular. Essa situação se arrasta há 20 anos.

TELEFÔNICA

Funcionários mal treinados

No dia 19/2, tentei fazer uma ligação para outro Estado, mas não consegui. Percebi que o problema era com o meu telefone. Liguei para a Telefônica e recebi um número de protocolo, mas a ligação caiu. Telefonei de novo e, após esperar um tempo, recebi outro número de protocolo e a informação de que eu deveria ligar para outro número. Foi o que eu fiz e fui informada de que teria de teclar *015 e o número de meu telefone. Fiz o teste e me disseram que meu telefone não tinha crédito. Perguntei ao atendente por que eu teria de pôr crédito, se a minha linha não era pré-paga? Se eu tenho de fazer interurbanos pelo 15, perco o direito de escolha. No quinto telefonema, recebi outro número de protocolo e soube que há o Plano Fale à Vontade por R$ 38,90, que permite ligações para celular e interurbanos pagando à parte. Adquiri o plano, pois pago R$ 54,90 sem esse benefício. Transferiram a ligação, recebi outro protocolo, mas a atendente não sabia o que eu havia conversado com o atendente anterior. Expliquei tudo de novo e ela respondeu que não havia o plano clássico do Fale à Vontade na minha região e que só posso ligar para celulares e fazer interurbano pela Telefônica! Isso é um desrespeito!

LUCIANA BELLIZZI / SÃO PAULO

A Telefônica informa que entrou em contato com a leitora e fez a migração da linha da sra. Luciana para o plano desejado. Diz que, para esclarecimentos, os clientes devem contatar a Central de Atendimento pelo 10315.

A leitora critica: Liguei primeiro para o 10315. Se tivesse sido atendida, não teria pedido ajuda ao jornal. Ninguém gosta de ser atendido por funcionários mal treinados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.