São Paulo Reclama

LAN CHILE PECA NO ATENDIMENTO AO USUÁRIO

, O Estado de S.Paulo

18 Janeiro 2011 | 00h00

Falta de orientação

Em 26/11 peguei um voo da Qantas/LAN Chile, que foi desviado do seu destino final e chegou com mais de 30 horas de atraso. O meu problema foi quando cheguei, pois constatei que nada havia sido feito em relação às conexões dos passageiros da classe econômica. Quando perguntei ao representante da LAN Chile em terra sobre a minha conexão, ele respondeu "se vire". Uma atitude completamente inaceitável. O atendente da conexão doméstica não sabia informar sobre o atraso do voo e só consegui chegar ao meu destino após muita insistência. No dia 28/11 reclamei pelo site da LAN Chile e no dia 17/12 a companhia aérea me enviou um texto-padrão, que não respondia à minha reclamação. Até afirmava, incorretamente, que as conexões haviam sido reestruturadas.

ALICIA KOWALTOWSKI / SÃO PAULO

O Comitê de Serviço ao Cliente esclareceu, em 7/1, que o ocorrido se deu em razão do fechamento do aeroporto, não havendo, portanto, qualquer participação da LAN nessa situação. Quanto ao suposto mau atendimento por um membro da equipe, a empresa lamenta o ocorrido. Todos os funcionários são devidamente treinados e capacitados para prestar toda a assistência necessária aos passageiros. Informa que a situação está sendo devidamente apurada.

A leitora revela: Reclamei sobre a falta de substituições para as conexões perdidas, algo que não foi abordado na resposta. Após um atraso de 30 horas, certamente havia tempo suficiente para que esse serviço fosse providenciado. Em vez disso, a LAN enviou apenas um funcionário despreparado para a porta de desembarque.

TRANSPORTE PÚBLICO

Descaso com usuária

No dia 4/1 passei por uma situação desagradável. Eram 8h17 quando dei sinal para o motorista do ônibus 609 C-10 Jd. Caiçara/Praça Júlio Prestes e fui ignorada. O veículo estava parado no final de uma fila de ônibus e eu, no meio da plataforma. Acenei, mas ele acelerou assim que os ônibus andaram. Como parou em fila dupla, corri até a frente da plataforma e, mais uma vez, tentei embarcar. Porém o motorista abriu um pouco a porta e, quando eu ia subir, fechou-a rapidamente e saiu acelerando. Quando retornei à plataforma, percebi que haviam três ficais da SPTrans no local. Relatei o ocorrido e eles responderam que não poderiam fazer nada, apenas relatar o caso à empresa. Entrei no site para cadastrar minha reclamação, mas é necessário o prefixo do ônibus ou a placa. Liguei para o 156 da SPTrans, e a atendente também disse serem necessários esses dados, além do horário e do endereço do fato. Achei uma falta de respeito tanto do motorista quanto dos fiscais, que não fizeram nada.

KARLA SUGIMOTO / SÃO PAULO

A SPTrans não respondeu.

A leitora diz: Não posso dizer se o problema continua, pois não precisei pegar esse ônibus novamente. Mas a SPTrans não respondeu minha reclamação.

AUMENTO DA TAXA

Piora da qualidade do ar

Começou o ano e também os problemas pela má administração da Prefeitura. No dia 3/1 não consegui emitir o boleto para pagar a inspeção veicular, já que o sistema travou, provavelmente para registrar o aumento de 10% aprovado pelo prefeito. É bom lembrar que a poluição medida em 2010 foi maior que a de 2009, ou seja, será que estamos fazendo um furo n"água?

ANGELO TONELLI / SÃO PAULO

A Assessoria de Comunicação da Controlar informa que o reajuste na tarifa da inspeção veicular está previsto no contrato firmado entre a Prefeitura de São Paulo e a empresa. Diz que a impressão do boleto só ficou indisponível durante os três primeiros dias de janeiro, Informa que janeiro é o mês reservado aos retardatários, já que a inspeção veicular, por lei, segue o calendário de licenciamento e deve ser feita nos meses correspondentes ao final da placa do veículo. Por fim, existem outros fatores que influenciam nos índices de poluição, como a umidade do ar, ou seja, a inspeção não pode ser considerada a única responsável por conter os índices. Diz que a inspeção ambiental veicular realizada em 2009 resultou numa redução da poluição emitida equivalente à retirada de 522 mil veículos de circulação.

O leitor discorda: A informação de que a poluição medida em 2010 foi maior que em 2009 é correta e foi divulgada por órgãos competentes. Se a inspeção realizada nos veículos em 2009 resultou numa redução do porte da indicada, mas os índices de poluição medidos em 2010 foram maiores, sem dúvida há algo errado. Cabe à Prefeitura averiguar quem são os responsáveis e solicitar providências urgentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.