São Paulo Reclama

FISCALIZAÇÃO (FINALMENTE) EFICAZ

, O Estado de S.Paulo

14 Janeiro 2011 | 00h00

Barulho na madrugada

Moro com minha esposa na Rua Fernando de Albuquerque, Consolação, e somos vizinhos de um bar. Esse estabelecimento costuma colocar música eletrônica ao vivo em níveis muito altos. Além de funcionar até 6h30, há muita algazarra feita pelos usuários. Já fizemos 9 denúncias eletrônicas ao Psiu e à Polícia Militar (PM). Peço ajuda ao Estadão, pois, mesmo após as reclamações, nada foi feito.

ANDRÉ PEGGION FILHO / SÃO PAULO

A Secretaria de Coordenação das Subprefeituras informa que um agente do Psiu esteve no local citado para realizar a medição dos níveis de ruído do estabelecimento, mas ele estava fechado. Uma nova vistoria foi programada para os próximos dias e, caso constatadas irregularidades, as devidas providências serão tomadas. A Secretaria ressalta que as ações do Psiu são realizadas com apoio da Polícia Militar, da Guarda Civil Metropolitana, das Subprefeituras e de outros órgãos municipais, quando necessário, por isso as fiscalizações necessitam ser programadas antecipadamente. É importante que na denúncia sejam informados o local, o horário e o dia de maior incidência do ruído. Esclarece que o estabelecimento foi incluído na programação de vistoria da Subprefeitura Sé e o proprietário será intimado a apresentar a licença de funcionamento em 5 dias. Caso não o faça, ele será multado e o local poderá ser fechado.

O leitor revela: O movimento no bar continua. No dia 8/1 ele funcionou até as 5 horas. Há ainda barulho dos usuários, mas o que mais me incomodava, a música eletrônica, agora não invade mais minha residência. Acho que foi feito algum tratamento acústico ou houve diminuição do volume do som.

PERÍCIA DO INSS

Análise relâmpago

Fui afastado do trabalho em agosto de 2002 pelo INSS, por problemas de doença crônica e degenerativa na coluna lombar. Em novembro de 2005 recebi alta, mas, como ainda estava mal fisicamente, retornei ao trabalho e tive depressão. Por esse motivo, voltei a receber auxílio-doença até março de 2006, quando retornei a trabalhar, pois o INSS não me pagava. Em 2007 fui encaminhado às pressas para uma cirurgia na coluna cervical, onde coloquei duas placas com parafusos a fim de melhorar os movimentos e reduzir as dores. Mas minha condição física e psicológica piora a cada dia. Fui diagnosticado com esquizofrenia residual, depressão e insônia. Mesmo com laudos de diferentes médicos especialistas e de exames clínicos que comprovam minha incapacidade, o INSS me deu alta em novembro de 2010. Entrei com outro pedido de auxílio-doença no dia 3/1, que me foi negado.

ESNALDE GALVÃO JÚNIOR / SÃO PAULO

A Assessoria de Comunicação Social do INSS-SP diz que em 3/1 o segurado teve o pedido de auxílio-doença indeferido, por não ter sido reconhecida sua incapacidade para o trabalho pela perícia médica do INSS. O leitor poderá contestar a decisão com Pedido de Reconsideração (PR) no prazo de 30 dias contados a partir da data da ciência. Se o PR for indeferido, poderá protocolar recurso na Junta de Recursos da Previdência Social, até 30 dias depois da decisão.

O leitor lamenta: Meu pedido foi indeferido sem que toda a documentação apresentada, como laudos, atestados (inclusive emitido por um médico perito forense) e demais exames médicos, fosse analisada. Uma documentação robusta, que levou mais de 6 meses para ser formulada, foi ignorada e derrubada em menos de 5 minutos de consulta, tempo que durou a perícia do INSS. Fica evidente o total descaso, desprezo e desrespeito. Não é simples entrar com os pedidos de reconsideração, pois, nesse período, os pagamentos são suspensos e, assim, não há como manter condições mínimas de subsistência.

REDE DE ESGOTO

Dois meses para serviço

No dia 20/11/2010 liguei para a Sabesp para pedir a ligação da rede de esgoto na minha residência, em reforma, localizada na Rua Coronel Marcílio Franco, Vila Isolina. Apesar de a Sabesp dizer que já existia o serviço no local, isso não é verdade. A empresa informou que irá encaminhar um fiscal para verificar a situação, mas ninguém apareceu. Por isso a obra está parada. Peço uma medida urgente da Sabesp.

SAULO SILVA / SÃO PAULO

O superintendente da Unidade de Negócio Norte da Sabesp, José Júlio Pereira Fernandes, informa que os técnicos da Sabesp realizaram vistoria no local em 5/1. Esclarece que a ligação de esgoto será executada até o dia 14/1.

O leitor diz: No dia 10/1 um funcionário da Sabesp esteve na residência e informou que, por se tratar de avenida de grande tráfego, a ligação vai ser realizada até o dia 15/1, sem falta. Espero que a empresa cumpra o prometido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.